Pilotos do Rali Paris-Dacar não gostam de condições do prólogo

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado quinta-feira, 1 de janeiro de 2004 as 18:58, por: CdB

Os pilotos da categoria carros do Rali Paris-Dacar não gostaram das condições encontradas no prólogo, realizado em Grande Halle d’Auvergne (França). Fez muito frio e a prova foi disputada sob neve, com pista muito escorregadia.

Um dos favoritos ao título, o francês Stephane Peterhansel, terminou em oitavo e, apesar da prova ter acontecido em um trecho curto (1,5 km), teve a frente do seu Mitsubishi danificada numa das ondulações do percurso. Mesmo assim, Peterhansel não se abalou com o problema.

– Danificamos um pouco a frente do carro nos saltos, já que estava muito escorregadio. Isso não tem muita importância, já que o carro foi concebido para sofrer danos eventuais, sem efeitos negativos no conjunto – disse Peterhansel, seis vezes campeão do rali na categoria motos.

Já a alemã Jutta Kleinschmidt, campeã do rali em 2001, preferiu se poupar no prólogo, terminando a prova na 13ª colocação.

– É um cenário bonito, mas dirigir nele é uma outra história. A pista estava muito escorregadia, com grandes saltos. Este prólogo foi curto, porém muito difícil – explicou.

O finlandês Ari Vatanen, que tenta o seu quarto título no Paris-Dacar, terminou em 34º no prólogo e não ficou satisfeito com o resultado, apesar da prova não contar para a classificação geral. Apesar de vir da Finlândia, Vatanen não gostou do frio.

– Estava pessimista por causa da dificuldade deste prólogo. Achava que não conseguiria passar pelas ondulações. Vim de uma terra fria, mas não vivi na Finlândia por muito tempo. Não estou acostumado com o frio e odeio estas condições. Mal posso esperar pela África – disse Vatanen.