PM e morador morrem em tiroteio na comunidade da Rocinha

Arquivado em: Destaque do Dia, Polícia, São Paulo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 22 de março de 2018 as 14:08, por: CdB

O policial militar Felipe Santos de Mesquita foi atingido no abdômen e chegou a ser levado para o Hospital Municipal Miguel Couto, mas não resistiu ao ferimento

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro:

Um policial militar e um morador da Rocinha morreram na noite anteriro durante um tiroteio na comunidade. O policial militar Felipe Santos de Mesquita foi atingido no abdômen e chegou a ser levado para o Hospital Municipal Miguel Couto, mas não resistiu ao ferimento.

Policial e morador morrem em tiroteio na Favela da Rocinha, no Rio

Antônio Ferreira, morador da comunidade de 70 anos e conhecido na Rocinha como Marechal; foi atingido no rosto durante a troca de tiros. O tiroteio aconteceu na localidade do Largo do Boiadeiro. Por conta disso, o Túnel Zuzu Angel, que liga São Conrado ao Leblon e passa sob o maciço da Rocinha; chegou a ficar interditado.

PMs mortos

Outros dois policiais militares foram mortos ontem no Rio. Em Cabo Frio; na região dos lagos, o cabo Luciano da Silva Coelho trabalhava como segurança de um estabelecimento comercial, em seu horário de folga; quando foi baleado, durante uma tentativa de roubo.

O sargento Maurício Chagas Barros foi atingido durante uma incursão na Favela Gogó da Ema, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. Seu corpo foi sepultado nesta quinta; no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na zona oeste da cidade do Rio.

Forças Armadas

Cerca de 1.700 homens das Forças Armadas e das polícias Civil, Militar e Rodoviária Federal fazem operações; em uma comunidade em Angra dos Reis, no sul fluminense, e na cidade do Rio de Janeiro. As ações de cerco, estabilização da área, desobstrução de vias; e cumprimento de mandados de prisão ocorrem nas comunidades do Frade, em Angra; e da Vila Vintém, na Zona Oeste do Rio.

Além disso, as ações de patrulhamento na comunidade de Vila Kennedy; também na zona oeste da cidade, prosseguem.

Além de 1.382 militares, estão sendo usados nessas ações 270 policiais militares, 50 policiais civis e 19 policiais rodoviários federais; com o apoio de blindados, aeronaves e equipamentos de engenharia (para retirada de barricadas).

Algumas ruas e acessos a essas áreas poderão ser interditados. O espaço aéreo sobre as regiões de atuação dos militares poderá ser controlados com restrições temporárias para aeronaves civis, mas sem interferir nas operações dos aeroportos.

As ações fazem parte das medidas implementadas pela intervenção federal na segurança pública do Rio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *