A polêmica da vulva: obra de arte de 33 metros atrai a ira da extrema direita no Brasil

Arquivado em: Cultura, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 18 de janeiro de 2021 as 14:24, por: CdB

A escultura de Juliana Notari causa conflito entre a comunidade cultural de direita e esquerda que apoia Jair Bolsonaro.

Uma vulva de concreto armado de 33 metros provocou uma reação dos bolsonarianos no Brasil, com partidários do presidente Jair Bolsonaro entrando em confronto com admiradores de arte de esquerda por causa da instalação.

A escultura causou polêmica junto aos seguidores do presidente Bolsonaro

A escultura feita à mão, intitulada Diva, foi inaugurada pela artista plástica Juliana Notari no início do ano em um parque de arte rural no terreno de um antigo engenho de açúcar em Pernambuco.

Em um post no Facebook , Notari disse que a vulva escarlate da encosta tinha como objetivo “questionar a relação entre natureza e cultura em nossa sociedade ocidental falocêntrica e antropocêntrica” e provocar o debate sobre a “problematização do gênero”. “Hoje em dia essas questões tornam-se cada vez mais urgentes”, acrescentou a artista.

A partir da divulgação da obra, sua repercussão foi instantânea. A mobilização em torno da escultura aguçou os ânimos de todos os lados, já polarizados pelo ambiente político que se instalou no Brasil nos últimos anos. 

A polêmica foi repercutida em jornais internacionais, como o britânico The Guardian. No Brasil, a imprensa, como o site folhago.com.br, acompanha o caso de perto.

Milhares de críticos – muitos aparentemente apoiadores de Bolsonaro – inundaram a página do artista no Facebook com sua ira. “Quem vocês esquerdistas pensam que estão enganando?”, escreveu um dos detratores mais contidos.

O guru político de Bolsonaro sediado nos Estados Unidos, o polemista profissional Olavo de Carvalho, opinou com um tweet habitualmente grosseiro .

Muitos responderam positivamente à escultura coberta de resina de Notari, que levou 11 meses para ser construída. “Há muito o que pensar nesse trabalho”, tuitou o celebrado cartunista trans Laerte Coutinho.

Outro fã escreveu: “Eu adorei! Uma parte íntima de nós exposta com tanta beleza. Precisamos de mais trabalhos que elevem o feminismo e suas nuances ”.

Kleber Mendonça Filho, cineasta pernambucano e autor de filmes como Aquarius e Bacurau, elogiou Notari por responder a um momento tão conservador da história brasileira com uma vulva gigantesca. “As reações ao seu trabalho são um espelho [da sociedade], um sucesso”, tuitou.