Polícia apreende fogos e material de propaganda em acampamento neonazista

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado domingo, 21 de junho de 2020 as 16:51, por: CdB

O mandado de busca e apreensão foi cumprido numa chácara na região de Arniqueiras, distante cerca de 20 quilômetros do centro de Brasília, composto por duas casas e onde também havia barracas instaladas.

Por Redação – de Brasília

A Polícia Civil do Distrito Federal apreendeu, neste domingo, fogos de artifício e farto material de propaganda destinados a manifestações do grupo neonazista conhecido como 300 do Brasil, informou a autoridade policial, em nota.

O material recolhido na chácara do grupo neonazista foi encaminhado à delegacia
O material recolhido na chácara do grupo neonazista foi encaminhado à delegacia

O mandado de busca e apreensão foi cumprido numa chácara na região de Arniqueiras, distante cerca de 20 quilômetros do centro de Brasília, composto por duas casas e onde também havia barracas instaladas.

“O imóvel contava com câmeras de segurança que cobriam toda a sua extensão. Em meio à ação foram apreendidos fogos de artifício, vários manuscritos com planejamento de ações e discursos, cartazes, aparelhos de telefone celular, um facão, um cofre (que ainda será aberto), e outros materiais destinados a manifestações”, informou a Polícia Civil do DF, em nota.

Prisão temporária

A polícia investiga a prática de supostos crimes de milícia privada, ameaças e porte de armas cometidos pelo grupo e a ação contou com a participação de 30 policiais.

O 300 do Brasil é liderado pela ativista Sara Giromini, conhecida como Sara Winter. Ela e outros cinco integrantes do grupo, liderado por ela e que apoia o presidente Jair Bolsonaro, foram presos temporariamente na segunda-feira no âmbito de um inquérito que investiga a organização de atos antidemocráticos que pedem uma intervenção militar e o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Congresso Nacional.

A prisão dos seis foi prorrogada na sexta-feira por mais cinco dias por ordem do ministro do STF Alexandre de Moraes, que relata o inquérito das fake news.