Polícia Civil estoura sítios com plantações de skunk na Região Metropolitana

Arquivado em: Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 27 de janeiro de 2021 as 14:28, por: CdB

Policiais estouraram, nesta quarta-feira, três sítios com mais de mil pés de “skunk”. O responsável pelos locais, um estudante de direito de 31 anos, foi preso em flagrante por tráfico de drogas.

Por Redação, com ACS – do Rio de Janeiro

Policiais da 24ª DP (Piedade) estouraram, nesta quarta-feira, três sítios com mais de mil pés de “skunk”. O responsável pelos locais, um estudante de direito de 31 anos, foi preso em flagrante por tráfico de drogas.

Polícia Civil estoura três sítios com mil plantações de skunk na Região Metropolitana do Rio

O material foi localizado em dois sítios, em Itaipuaçu, e uma casa em Ponta Negra, em Maricá, na Região Metropolitana do Rio.

As investigações

Segundo os agentes, as investigações apontam que cada quilo da droga era vendido a R$ 30 mil, e cada colheita, rendia entre três e cinco quilos. Os locais eram protegidos em uma espécie de galpão com estufas, além de equipamentos de ventilação, de controle de temperatura e iluminação.

Ainda de acordo com os policiais, o criminoso revendia a droga, que é uma derivação da maconha com maior poder alucinógeno, na Região Oceânica de Niterói e também na cidade do Rio.

Golpe ‘Boa noite, Cinderela’

Policiais civis da 13ª DP (Ipanema) prenderam, na manhã desta quarta-feira, dois acusados de roubo e associação criminosa por prática do golpe ‘Boa noite, Cinderela’. Os homens atuavam em bares e boates, dopavam os alvos e realizavam vários saques e compras de altos valores. Eles foram reconhecidos por uma das vítimas que teve o celular subtraído, além do cartão do banco, e contabilizou um prejuízo de cerca de R$ 30 mil em transações financeiras.

As investigações apontam que a dupla pertence a uma quadrilha que atua no Rio de Janeiro e São Paulo praticando o mesmo golpe. De acordo com os policiais, trata-se de crime gravíssimo que coloca em risco a vida e o patrimônio das vítimas, uma vez que os autores fazem uso de uma droga, conhecida como ketamina, com propriedades anestésicas que induzem o estado de transe e deixam as pessoas inconscientes. O consumo exagerado pode causar a morte.

Mais de 10 integrantes da organização criminosa já foram identificados. Outros três participantes do bando foram presos no ano passado, dois em São Paulo e um taxista no Rio de Janeiro. As investigações seguem em andamento para identificação e prisão dos demais envolvidos na quadrilha.