Polícia Civil e Procon atuam contra lojas que vendem kit gás irregular

Arquivado em: Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 28 de janeiro de 2021 as 14:07, por: CdB

A Polícia Civil e o Procon Estadual desencadearam nesta quinta-feira a Operação Conversão, que tem o objetivo de desarticular uma quadrilha que faz instalação irregular de equipamentos de gás natural veicular (GNV).

Por Redação, com ACS – do Rio de Janeiro

A Polícia Civil e o Procon Estadual desencadearam nesta quinta-feira a Operação Conversão, que tem o objetivo de desarticular uma quadrilha que faz instalação irregular de equipamentos de gás natural veicular (GNV). A ação foi desencadeada pela Delegacia de Defraudações (DDEF), com apoio das delegacias especializadas.

As investigações apontam que muitas dessas empresas são controladas por milicianos

O bando utiliza documentação falsa e empresas em nome de laranjas para realizar o serviço e atua em diversos estados. Alguns proprietários de empresas laranjas, segundo investigações, recebiam percentuais pelas vendas sem declarar impostos.

Até o momento, seis pessoas foram presas, e sete estabelecimentos, interditados.

Na ação desta quinta-feira, policiais cumpriram mandados de prisão e busca e apreensão na Zona Oeste da capital e Baixada Fluminense. As investigações apontam que muitas dessas empresas são controladas por milicianos. Esse grupo, ainda segundo a polícia, ameaça os responsáveis pela fiscalização.

Equipamentos de gás

Ao todo foram quatro meses de investigação. Policiais descobriram que os equipamentos de gás eram instalados de forma irregular e não apresentavam itens de segurança, expondo, dessa forma, os consumidores a risco. Há relatos de que automóveis explodiram devido ao vazamento e má instalação de gás.

Denúncias feitas ao Procon

As denúncias recebidas pelo Procon-RJ informaram que os estabelecimentos não possuem CRI – Certificado de Registro de Instalador, emitido pelo Inmetro, que permite realizar a instalação, conversão e manutenção do equipamento de GNV. Além disso, relatam que os cilindros usados na instalação seriam oriundos de veículos furtados, roubados ou incendiados, que não possuem nota fiscal de origem, nem inspeção de segurança.

O presidente do Procon-RJ, Cássio Coelho, fez uma advertência:

–  O consumidor precisa se atentar ao contratar a instalação do kit gás em seu veículo e consultar se a empresa é credenciada pelo Inmetro para realizar a instalação. Deve escolher um instalador registrado que possua CRI ativo e sempre solicitar a nota fiscal do serviço e dos componentes do GNV. Se possível, preferir cilindros novos, pois assim o comprador terá certeza que o equipamento foi aprovado em testes e não apresentam riscos de terem sofrido sinistros.

Força-Tarefa prende 15 milicianos

A Força-Tarefa da Polícia Civil de combate às milícias, por meio das unidades do Departamento-Geral de Polícia Especializada (DGPE) e da Delegacia de Repressão às Organizações Criminosas e Inquéritos Especiais (Draco), desencadearam, na quarta-feira , uma operação contra o braço financeiro da milícia que atua na Gardênia Azul, em Jacarepaguá, na Zona Oeste da capital, e em outras regiões do Rio. Quinze pessoas foram presas. Os agentes também interditaram duas lojas de roupas falsificadas, um ferro-velho que receptava cabos furtados de empresas de telefonia, dois provedores de internet, um edifício em construção, uma farmácia e uma uisqueria.

A ação teve como objetivo prender milicianos, asfixiar as fontes de renda e interromper comércios e serviços ilegais que geram grande lucro para a organização criminosa. Na operação, os agentes prenderam um dos principais integrantes da milícia que comanda a comunidade do Quitungo, em Brás de Pina. Contra o acusado foi cumprido um mandado de prisão temporária por homicídio. Durante a ação, os agentes também prenderam um “cobrador” da milícia.

As investigações também revelaram que a milícia que comanda o Quitungo se aliou a traficantes de uma organização criminosa que já atuava em Vigário Geral, Parada de Lucas e Cidade Alta.

Entre os crimes investigados estão exploração de atividades ilegais controladas pela milícia; cobranças irregulares de taxas de segurança e de moradia; instalações de centrais clandestinas de TV a cabo e de internet (gatonet/gatointernet); armazenamento e comércio irregular de botijões de gás e água; parcelamento irregular de solo urbano; exploração e construções irregulares, areais e outros crimes ambientais; comercialização de produtos falsificados; contrabando; descaminho; transporte alternativo irregular; estabelecimentos comerciais explorados pela milícia e utilizados para lavagem de dinheiro, entre outras ilegalidades.

A ação desta quarta-feira tem com base investigações realizadas nas unidades da DGPE, como a Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD); Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPIm); Delegacia do Consumidor (Decon); Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA); Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA) e Divisão de Capturas da Polícia Interestadual (DC-Polinter), Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme), Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC); Delegacia de Roubos e Furtos (DRF); Delegacia Fazendária (Delfaz); Delegacia de Combate às Drogas (Dcod); e Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), com apoio de informações do Disque-Denúncia.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code