Polícia da Colômbia prende autor de atentado em Bogotá

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 2 de março de 2019 as 12:03, por: CdB

Arturo Ordóñez do grupo guerrilheiro Exército de Libertação Nacional teria planejado o ataque que deixou 22 mortos em janeiro. Detido é acusado ainda de recrutar menores para a guerrilha.

Por Redação, com DW – de Bogotá

As autoridades da Colômbia prenderam na sexta-feira Arturo Ordóñez, conhecido como “El Elefante”, chefe da frente urbana do Exército de Libertação Nacional (ELN) e um dos autores intelectuais do atentado contra a Escola de Cadetes de Polícia General Francisco de Paula Santander, em Bogotá, que deixou 22 mortos em meados de janeiro.

Carro-bomba explodiu na escola de cadetes em Bogotá

– Demos um golpe muito forte no grupo terrorista ELN. Hoje foi capturado, em uma operação impecável, Arturo Ordóñez, chefe da frente urbana do ELN – anunciou o presidente colombiano, Iván Duque.

O presidente afirmou que “El Elefante” entrou na guerrilha há 37 anos. A prisão foi feita por membros do Comando Conjunto de Operações Especiais (Cecoes), em parceria com a inteligência do Exército. Segundo Duque, o detido é um dos responsáveis por planejar vários atentados dos guerrilheiros no país.

– Este é um golpe contra um dos criminosos mais perigosos do país – disse Duque. Além do atentado em Bogotá, Ordóñez é acusado de recrutar menores e executar ataques nos departamentos de Antioquia, Cundinamarca e Tolima.

No último dia 17 de janeiro, um guerrilheiro suicida detonou um carro-bomba contra a escola, deixando 22 cadetes da polícia mortos e outros 66 feridos. O incidente levou ao fim do já complicado processo de paz entre o grupo guerrilheiro e o governo.

Duque disse que só está disposto a retomar o diálogo se os guerrilheiros libertarem todos os sequestrados que estão em seu poder e se comprometerem a encerrar todas as “ações criminosas”. O presidente solicitou ainda que o governo de Cuba entregue os negociadores do ELN que participavam das negociações de paz no país.

Com cerca de 1,8 mil combatentes e uma extensa rede de apoio, o ELN opera em diversos estados colombianos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *