Polícia e MP combatem desvios de verba pública no Rio

Arquivado em: Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 10 de janeiro de 2018 as 12:16, por: CdB

A ação tem o objetivo de apreender documentos e dispositivos eletrônicos que possam instruir um inquérito policial que apura diversas operações

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro:

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) e a Polícia Civil fizeram operação nesta quarta-feira para cumprir 36 mandados de busca e apreensão em imóveis da Zona Oeste do Rio e da Baixada Fluminense.

Segundo as investigações, os suspeitos tiveram movimentação financeira muito superior aos seus rendimentos declarados no período

Entre os alvos da ação estão residências do ex-prefeito de Belford Roxo, Adelino Braulino dos Santos; também conhecido como Dennis Dautmann, e o ex-secretário de Administração do município, João Magalhães da Silva.

A ação tem o objetivo de apreender documentos e dispositivos eletrônicos; que possam instruir um inquérito policial; que apura diversas operações atípicas realizadas pelos investigados, em torno de R$ 34,4 milhões, entre 2012 e 2015.

De acordo com o MPRJ, a operação reúne fortes indícios de existência de um esquema de lavagem de dinheiro; comandado pelos investigados na prefeitura de Belford Roxo; por meio da contratação de empresas para prestação de serviços de diagnóstico médico ligadas ao ex-secretário.

Movimentação financeira superior aos rendimentos

Ainda segundo as investigações, os suspeitos tiveram movimentação financeira muito superior aos seus rendimentos declarados no período. Nas contas bancárias dos investigados e de empresas contratadas pelo município, constituídas em sua maioria por “laranjas”, foi constatada movimentação financeira entre pessoas ligadas aos membros da alta administração da cidade entre os anos de 2013 e 2016.

Foi identificada ainda a triangulação de valores entre contas bancárias dos suspeitos, o que seria uma técnica para lavar o dinheiro obtido por meio dos contratos fraudulentos, de acordo com o MPRJ.

Além dos mandados de busca e apreensão, a Justiça também determinou o bloqueio cautelar das contas bancárias dos investigados e a indisponibilidade de veículos e bens imóveis dos envolvidos.

A reportagem da Agência Brasil entrou em contato com a prefeitura de Belford Roxo e aguarda posicionamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *