Polícia faz operação contra fraudes no Tribunal de Contas do Tocantins

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Polícia, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 3 de março de 2021 as 12:09, por: CdB

 

Uma organização criminosa suspeita de fraudar processos licitatórios e a execução de contratos relacionados à construção do prédio anexo do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins é o alvo, desta quarta-feirea, da Operação Esopo 267, da Polícia Federal.

Por Redação, com ABr – de Brasília

Uma organização criminosa suspeita de fraudar processos licitatórios e a execução de contratos relacionados à construção do prédio anexo do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins é o alvo, desta quarta-feirea, da Operação Esopo 267, da Polícia Federal.

PF faz operação contra fraudes no Tribunal de Contas do Tocantins

Durante as investigações, a Polícia Federal, o Ministério Público Federal e a Controladoria-Geral da União constataram, além dos indícios de fraude à licitação e de desvios na execução dos contratos, diversos outros elementos que apontam para crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de ativos, evasão de divisas, além da constituição de organização criminosa por servidores públicos e empresários do ramo da construção civil.

Os contratos

“Os contratos investigados somam mais de R$ 25 milhões. A partir das movimentações financeiras suspeitas, laudos periciais e informações de campo, estima-se um prejuízo aos cofres públicos da União superior a R$ 4 milhões”, disse a PF.

Na ação desta quarta-feira, policiais cumpriram 13 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) nas cidades de Palmas e Goiânia.

A Operação Esopo 267 faz referência a uma das versões da fábula do lobo em pele de cordeiro, em virtude de que os ilícitos investigados estariam associados ao próprio órgão responsável por evitar que eles aconteçam.

Lavagem de dinheiro

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quarta-feira uma nova etapa da Operação Egypto, denominada Fractais. Esta é a terceira fase dessa operação que tem, por objetivo, investigar a ocultação de patrimônio que teria sido reunido pelos investigados na primeira fase da operação, “consistindo, assim, em possível crime de lavagem de dinheiro”.

Cerca de 60 policiais federais estão cumprindo 13 mandados de busca e apreensão e sete mandados de prisão temporária nas cidades gaúchas de Novo Hamburgo, Estância Velha e Campo Bom; em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Vitória.

Segundo a PF, também estão sendo cumpridas ordens judiciais visando a apreensão de veículos e o bloqueio de 170 imóveis registrados em nome de investigados e de laranjas. O valor total estimado desses imóveis é de R$ 80 milhões.

De acordo com os investigadores, a maioria dos investigados nesta etapa foram identificadas a partir de informações que surgiram com a análise “do vasto material” apreendido na primeira fase da Operação Egypto, que foi deflagrada em maio de 2019.

Ministério da Justiça

Em novembro de 2020, a partir de elementos obtidos na primeira fase da Operação Egypto, o Ministério da Justiça bloqueou quase R$ 130 milhões em moedas virtuais que estavam na empresa provedora de serviços de ativos virtuais Exchange, sediada nos Estados Unidos.

Na época, o MJ informou que o bloqueio havia sido solicitado com base em elementos obtidos pela Polícia Federal no Rio Grande do Sul, na Operação Egypto, para apurar a atuação de uma empresa com sede no município gaúcho de Novo Hamburgo.