Polícia Federal investiga ameaça a consulado chinês em SP

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Polícia, São Paulo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 24 de agosto de 2020 as 12:53, por: CdB

A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta segunda-feira, a Operação Pronta Resposta, para investigar ameaça de ataque terrorista contra o Consulado da República Popular da China em São Paulo. Em nota, a corporação esclareceu que um representante do escritório recebeu um e-mail com a intimidação.

Por Redação, com ABr – de São Paulo

A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta segunda-feira, a Operação Pronta Resposta, para investigar ameaça de ataque terrorista contra o Consulado da República Popular da China em São Paulo. Em nota, a corporação esclareceu que um representante do escritório recebeu um e-mail com a intimidação, em que o remetente exigia o fechamento imediato do local e informava que, se não fosse atendido, iniciaria as investidas no endereço, já a partir desta segunda.

A PF deflagrou a Operação Pronta Resposta, para investigar ameaça de ataque terrorista contra o Consulado da República Popular da China 
A PF deflagrou a Operação Pronta Resposta, para investigar ameaça de ataque terrorista contra o Consulado da República Popular da China

O representante do consulado procurou a PF na última sexta-feira. Com a urgência do caso, a corporação mobilizou agentes para localizar o suspeito de fazer a ameaça e, durante o plantão do final de semana, cumpriu mandados de busca e apreensão na residência do investigado, informa a PF na nota.

Operação

“Foram apreendidos computadores e aparelhos celulares em busca da motivação do crime e da eventual participação de outros envolvidos”, disse a corporação.

Atuaram na operação, o Grupo de Repressão à Crimes Cibernéticos e o Grupo de Pronta Intervenção.

Operação Além Mar

A Polícia Federal contabiliza a apreensão de quatro aviões, três helicópteros; dois jet skis e quatro embarcações, além de imóveis, caminhões e veículos de luxo como resultado de 37 mandados cumpridos no âmbito da Operação Além Mar, deflagrada no dia 18 de agosto para investigar o tráfico internacional de drogas no país.

De acordo a PF, quatro organizações criminosas autônomas que atuavam em conexão enviaram toneladas de cocaína para a Europa, usando os portos de vários estados, entre eles, o Porto de Natal no Rio Grande do Norte.

No dia em que foi deflagrada a operação, a PF informou que a primeira célula criminosa, estabelecida na cidade de São Paulo, usava a fronteira do Brasil com o Paraguai para fazer com que a droga entrasse no país para, via aérea, ser levada ao Estado de São Paulo, onde era distribuída no atacado para organizações criminosas estabelecidas no Brasil e na Europa.

Um segundo grupo criminoso, em Campinas, recebia a cocaína para distribuição interna e exportação para Cabo Verde e Europa. A terceira célula criminosa, localizada no Recife, era integrada por empresários do setor de transporte de cargas, funcionários e motoristas de caminhão cooptados.

A quarta parte da organização criminosa era estabelecida na região do Braz, em São Paulo, e atuava como banco paralelo, disponibilizando sua rede de contas bancárias para movimentação de recursos de terceiros, de origem ilícita, mediante controle de crédito/débito.

Em sua fase inicial, a Operação Além Mar cumpriu 139 mandados de busca e apreensão e 50 de prisão, sendo 30 de prisões temporárias e 20 de prisões preventivas. A determinação então dada pela Justiça Federal foi a de apreender cinco helicópteros, sete aviões, 42 caminhões e 35 imóveis urbanos e rurais, além do bloqueio de R$ 100 milhões.

As ações ocorrem em endereços relacionados aos investigados nos estados de Pernambuco, Santa Catarina, São Paulo, Alagoas, Mato Grosso do Sul, Goiás, da Bahia, Paraíba, do Ceará, Pará, Paraná, Rio Grande do Norte e no Distrito Federal.

Segundo a PF, as investigações começaram há quatro anos pela Superintendência de Pernambuco.