Polícia investiga cobrança de propina para construção de submarino da Marinha

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, São Paulo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019 as 13:55, por: CdB

Segundo a investigação, a empresa firmou 15 contratos administrativos com o Centro Tecnológico da Marinha e com o Comando Naval Brasileiro Europa (BNCE) para o fornecimento de materiais de pesquisa e prestação de serviços envolvendo tecnologia nuclear.

Por Redação, com Sputnik – de São Paulo

Polícia Federal em São Paulo cumpriu na manhã desta quinta-feira três mandados de busca e apreensão para investigar suspeita de cobrança de propina em contratos para a construção de um submarino da Marinha.

PF investiga cobrança de propina para construção de submarino da Marinha

De acordo com Ministério Público de São Paulo, está sendo apurada a prática dos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

O MPF investiga a suspeita de que um engenheiro e um funcionário da Marinha teriam cobrado propina para a realização de contratos para a construção de um submarino no valor de R$ 6 milhões da empresa austríaca Bilfinger Maschinembau GMBA & CO.KO (MAB) no período entre 2008 e 2015.

A companhia estrangeira atua no ramo de fabricação e engenharia de componentes para tecnologia de reatores nucleares.

Segundo a investigação, a empresa firmou 15 contratos administrativos com o Centro Tecnológico da Marinha e com o Comando Naval Brasileiro Europa (BNCE) para o fornecimento de materiais de pesquisa e prestação de serviços envolvendo tecnologia nuclear.

3 thoughts on “Polícia investiga cobrança de propina para construção de submarino da Marinha

  1. É PRECISO investigar também o diretor técnico e o presidente da amazul que estiveram passeando na Áustria entre 20 e 27 de setembro de 2018 sei lá fazendo oque!!

  2. Os executivos da Amazul fizeram parte da delegação brasileira que participou da conferência anual da Agência Internacional de Energia Atômica, em Viena, na Áustria. Portanto, foi uma viagem a trabalho, dada a natureza de atuação da empresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *