Polícia investiga fraude em licitação para compra de merenda escolar

Arquivado em: Destaque do Dia, Educação, Ensino Básico, Ensino Médio, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 30 de junho de 2022 as 13:18, por: CdB

O objetivo é o aprofundamento das investigações referentes a fraudes em procedimentos licitatórios realizados para aquisição de gêneros alimentícios, carnes e frios para a merenda escolar do Município de Florínea/SP.

Por Redação, com ACS – de São Paulo

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira, a Operação Food Education, Fase 2, para dar cumprimento a 6 Mandados de Busca e Apreensão expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região, nos Municípios de Florínea/SP, Pedrinhas Paulista/SP e Cruzália/SP.

Os contratos firmados com três empresas fornecedoras alcançam aproximadamente R$ 2 milhões

O objetivo é o aprofundamento das investigações referentes a fraudes em procedimentos licitatórios realizados para aquisição de gêneros alimentícios, carnes e frios para a merenda escolar do Município de Florínea/SP.

A investigação teve início a partir de denúncia de irregularidades nas notas fiscais emitidas pelos fornecedores, contendo itens não utilizados na merenda escolar, ou em quantidades excessivas ou, ainda, em decorrência de aquisições e emissões de notas fiscais em períodos de férias escolares.

No transcurso da investigação, corroborando com a denúncia formulada, adveio relatório do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo entendendo serem parcialmente procedentes as denúncias formuladas.

A Fase 1 da Operação Food Education foi deflagrada em 2021, quando foram cumpridos 4 mandados de busca e apreensão em Florínea/SP e Maracai/SP.

Da análise do material apreendido na primeira fase, reforçou-se a presença de indícios de fraude à licitação e corrupção, o que tornou necessária a representação por novas medidas de busca e apreensão e o consequente avanço nas investigações.

Pesca ilegal de lagosta no Ceará

A Polícia Federal realizou a prisão de cinco homens no cais pesqueiro, nas proximidades do Porto do Mucuripe, na capital cearense. Parte dos envolvidos estava descarregando carga de lagosta para um caminhão frigorífico no momento da abordagem policial. Outros tentaram fugir em uma embarcação, sendo perseguidos e presos em flagrante no mar.

Os policiais localizaram um compressor no porão da embarcação abordada, consistindo em técnica proibida para pesca da lagosta. Houve a apreensão do equipamento e da carga de lagosta, que está sendo destinada pelo IBAMA.

Os presos, todos pescadores, utilizaram o direito constitucional de permanecer em silêncio, nos interrogatórios na PF. Eles foram liberados após pagamento de fianças fixadas pela autoridade policial na PF.

Os envolvidos foram indiciados por pesca ilegal, crime do artigo 34 da lei 9.605/98, com penas de até três anos de prisão. As investigações continuam.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

code