Polícia realiza operação para prender cambistas

Arquivado em: Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 23 de dezembro de 2019 as 14:24, por: CdB

Policiais prenderam três pessoas, na manhã desta segunda-feira, em operação para cumprir mandados de prisão contra uma quadrilha de cambistas.

Por Redação, com agências de notícias – do Rio de Janeiro

Policiais da 20ª DP (Vila Isabel) prenderam três pessoas, na manhã desta segunda-feira, em operação para cumprir mandados de prisão contra uma quadrilha de cambistas que agia em jogos de futebol e grandes eventos.

Polícia faz operação contra quadrilha de cambistas no Rio
Polícia faz operação contra quadrilha de cambistas no Rio

Até o momento, três homens foram presos. Entre eles, o policial reformado Ozeas do Nascimento, de 63 anos.

De acordo com os investigadores, Ozeas tem outras passagens pela polícia por suspeita de cambismo e estelionato. Na investigação, o policial aparece como um dos responsáveis pela venda irregular de ingressos delivery.

Os outros presos nesta manhã foram George Sant’anna, de 33 anos, e Michel Meneghetti de Amorim, de 39 anos.

George tem passagens pela polícia por cambismo nos anos de 2013 e de 2016. Já Michel Meneghetti é, segundo a polícia, um dos responsáveis por negociar ingressos adquiridos com a utilização de cartões clonados.

O grupo tinha diferentes métodos para adquirir ingressos.

Uma das formas era comprar os bilhetes com cartões de crédito clonados. “Como saíam a custo zero, os criminosos vendiam por preço abaixo do mercado”, explicou o delegado Roberto Ramos.

Outra maneira era cooptar idosos para retirar gratuidades e vendê-las. “Enchiam carros com idosos e os soltavam nas filas do benefício”, disse o delegado. Por lei, maiores de 65 anos e crianças têm direito a entrar de graça em jogos.

Havia ainda o cadastro irregular de sócio-torcedor para pegar as entradas.

A polícia afirma que a quadrilha tem a participação de bilheteiros e de pessoas que facilitaram a troca de ingressos adquiridos com cartões clonados.

A investigação começou em março, com a prisão de três cambistas que vendiam ingressos no entorno do Maracanã.

Eles vão responder pelos crimes de associação criminosa, estelionato e cambismo.