Polícia faz operação para prender responsáveis por morte de PM no Rio

Arquivado em: Destaque do Dia, Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado domingo, 6 de janeiro de 2019 as 11:59, por: CdB

Desde as primeiras horas, policiais entraram em pelo menos seis comunidades da zona norte, com apoio de helicóptero e de carro blindado, em meio a rajadas de tiros.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

A primeira morte de um policial militar no Rio de Janeiro no ano motivou uma operação integrada na manhã deste domingo. O PM Daniel Henrique Mariotti morreu quando tentava evitar um assalto, na Linha Amarela, no início da noite de sábado.

A primeira morte de um policial militar no Rio de Janeiro no ano motivou uma operação integrada na manhã deste domingo

Desde as primeiras horas, policiais entraram em pelo menos seis comunidades da zona norte, com apoio de helicóptero e de carro blindado, em meio a rajadas de tiros. Foram deflagradas operações nas favelas do Arará, Mandela, Manguinhos, Morar Carioca, Bandeira 2 e CCPL.

Até o momento, não há informações sobre os resultados da operação.

Repercussões

Hoje o presidente Jair Bolsonaro lamentou no Twitter a morte do soldado. “Meu pesar à família de mais um PM assassinado no RJ, o soldado Mariotti. A caça aos agentes de segurança e o massacre dos cidadãos de bem sempre foram tratados como números. Legislativo, Executivo e Judiciário juntos, devem na lei, propiciar garantias para que o bem vença o mal”, disse o presidente.

O governador do Rio, Wilson Witzel, divulgou nota, lamentando a morte do PM, a primeira ocorrida em seu governo, que começou há menos de uma semana.

– O Rio de Janeiro acaba de perder mais um herói nesta guerra contra os terroristas nas ruas do nosso Estado. Quero manifestar meu mais profundo pesar pelo assassinato do soldado PM Mariotti e minhas condolências à família. Que Deus o abençoe e o receba. Como governador, a morte de um policial é como perder um filho. Vamos investigar este caso com todo o rigor e não vamos parar o combate ao crime até devolvermos a paz ao Estado – disse Witzel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *