Polícia do Paraná agride militantes pró-Lula com balas de borracha

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado domingo, 8 de abril de 2018 as 17:42, por: CdB

Militantes favoráveis ao ex-presidente Lula, entre eles muitas crianças, foram alvos da truculência policial. Uma das crianças sofreu traumatismo craniano.

 

Por Redação, com RBA – de Curitiba

 

Oito pessoas ficaram feridas durante as manifestações ocorridas com a chegada por causa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Curitiba para cumprir a pena de 12 anos e 1 mês à qual foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro. Três dos oito feridos são crianças, um é policial militar. Os demais são manifestantes favoráveis ao ex-presidente.

A polícia do Paraná abriu fogo contra os manifestantes pró-Lula
A polícia do Paraná abriu fogo contra os manifestantes pró-Lula

Segundo o comando da Polícia Militar (PM), todos sofreram ferimentos leves e foram atendidos no local. Três, no entanto, tiveram de ser encaminhados ao Hospital Evangélico. Entre os que foram para o hospital está uma criança, com ferimentos na cabeça.

Após as mobilizações favoráveis e contrárias ao ex-presidente, o comandante do 20° Batalhão da Polícia Militar, tenente-coronel Mário Henrique do Carmo, que coordenou a operação, considerou bem-sucedida a ação policial contra os militantes.

Truculência



Questionado sobre o uso de bombas contra manifestantes, Carmo disse que houve duas explosões no meio dos manifestantes.

— Eles (os militantes) explodiram duas bombas no chão. E, pelo efeito das explosões, eles avançaram contra o portão da Polícia Federal (PF), e esta, por sua vez, os repeliu — alega o tenente-coronel.

De acordo com Carmo, após a explosão das bombas da PF, os manifestantes correram para todos os lados, e a PM usou balas de borracha “para evitar a aproximação entre os grupos com ideologias diferentes”, alegou a corporação.

Perguntado sobre rojões lançados por grupos contra o ex-presidente; que caíram no estacionamento do prédio da Polícia Federal, o comandante respondeu que não poderia se posicionar. Disse que não viu o material.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *