Polícia prende integrantes de quadrilha que drogou e roubou patrimônio de idosa

Arquivado em: Destaque do Dia, Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 19 de agosto de 2021 as 12:32, por: CdB

 

Segundo as investigações, eles usaram o medicamento Clonazepam, conhecido pelo golpe “Boa Noite, Cinderela”, para fazer transferências, saques, emissões de cheques e aquisição de bens, como carros de luxo.

Por Redação, com ACS – do Rio de Janeiro

Policiais civis da 110ª DP (Teresópolis) realizam nesta quinta-feira, a Operação Parasitas, que mira uma organização criminosa que causou prejuízo de cerca de R$ 10 milhões a uma mulher de 85 anos. Integrantes da quadrilha passaram a trabalhar para a idosa, em 2018, exercendo funções domésticas no sítio dela, em Teresópolis, na Região Serrana. E, a partir disso, começaram a dopar a vítima para se apropriar de seu patrimônio.

Preso trio que drogou e roubou patrimônio milionário de idosa

Foram expedidos cinco mandados de prisão para os membros principais da quadrilha e 11 de busca e apreensão nas residências de todos os envolvidos, que são investigados por roubo qualificado, organização criminosa e lavagem de capitais. Até o momento, três pessoas foram capturadas.

Segundo as investigações, eles usaram o medicamento Clonazepam, conhecido pelo golpe “Boa Noite, Cinderela”, para fazer transferências, saques, emissões de cheques e aquisição de bens, como carros de luxo. As transferências de dinheiro eram realizadas por meio da utilização das contas de terceiros, que sacavam as quantias e repassavam aos membros da organização criminosa, ficando com 5% do valores transferidos.

No ano passado, a quadrilha conseguiu forjar uma declaração de união estável entre a vítima e um dos membros do grupo, de 31 anos, e passou a vender todos os imóveis da idosa, que tinha quatro apartamentos na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, e Copacabana, na Zona Sul. As quantias negociadas foram bem inferiores ao valor de mercado, para que os criminosos obtivessem o dinheiro rapidamente. Além disso, o sítio da mulher foi transferido para um dos membros da organização.

As investigações

As investigações começaram no início de março deste ano, quando a vítima deu entrada em um hospital com suspeita de traumatismo craniano. A vítima, atualmente, apresenta distúrbio mental causado, possivelmente, por uso excessivo do Clonazepam.

Entre os investigados, mas que não foi alvo de mandado de prisão, está um funcionário da Receita Estadual, que faria parte do esquema. Ele teria recebido mais de R$ 100 mil em sua conta bancária, sendo que parte do valor foi repassado posteriormente para outros integrantes da quadrilha. Os agentes vão apurar a participação dele no golpe.

Veículos roubados

Policiais civis da 33ª DP (Realengo) desarticularam, na quarta-feira, uma quadrilha especializada em desmanchar veículos roubados para venda de peças. Três pessoas foram presas em flagrante pelos crimes de receptação qualificada e associação criminosa.

Os agentes chegaram até os criminosos após trabalho de inteligência. Os policiais monitoraram uma Kombi que levava peças de carros que foram desmontados em Bangu e Vila Kennedy, na Zona Oeste, para um depósito no mesmo bairro. No galpão onde o veículo entrou havia dezenas de portas, capôs, cabeçotes de motor, lanternas de automóveis diversos. Os policiais também encontraram peças de carros de concessionárias que prestam serviço público de energia, luz e telefone.

De acordo com a equipe da 33ª DP, a quadrilha desmanchava os automóveis para venda e eliminava todas as formas de identificação. A perícia foi realizada no local e, até o momento, foram identificados três carros roubados recentemente, cujas peças estavam no galpão. As investigações revelaram, ainda, que alguns veículos seriam roubados por encomenda e as peças vendidas para outros estados, como São Paulo.

As diligências continuam para identificar as demais peças dos veículos encontradas no galpão, os receptadores, além dos locais onde os carros estariam sendo cortados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code