Polícia prende traficantes durante operação em Barra do Piraí e Volta Redonda

Arquivado em: Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 18 de janeiro de 2021 as 14:54, por: CdB

 

Durante a ação, os agentes apreenderam 43 pinos de cocaína, dois tabletes de maconha cerca de (R$ 180). Segundo as investigações, os acusados possuem várias passagens pela polícia por envolvimento com o tráfico de drogas e outros crimes.

Por Redação, com ACS – do Rio de Janeiro

Policiais civis da 88ª DP (Barra do Piraí) e militares realizaram diligências para cumprir mandados de prisão nos bairros Califórnia, em Barra do Piraí, e Dom Bosco, em Volta Redonda, e prenderam três traficantes, na semana passada.

Polícia Civil prende traficantes durante operação em Barra do Piraí e Volta Redonda

Os acusados são suspeitos de participação em tiroteios contra uma organização criminosa rival que atua na cidade.

Durante a ação, os agentes apreenderam 43 pinos de cocaína, dois tabletes de maconha cerca de (R$ 180). Segundo as investigações, os acusados possuem várias passagens pela polícia por envolvimento com o tráfico de drogas e outros crimes.

Celular roubado

Policiais civis da 52ª DP (Nova Iguaçu) prenderam em flagrante uma mulher que havia vendido um celular roubado. A ação foi resultado do trabalho do setor de Roubos e Furtos da unidade, que desenvolveu uma metodologia para recuperar celulares roubados.

No momento em que os aparelhos são ativados por um novo usuário, a equipe da DP entra em contato para avisar que aquele aparelho é produto de roubo ou furto, solicitando a devolução do mesmo. Este é um projeto-piloto da Polícia Civil, que pode vir a ser reproduzido em outras delegacias do estado.

A investigação teve início quando a equipe da 52ª DP conseguiu recuperar um aparelho roubado no dia 13 de janeiro. Ele foi devolvido por uma pessoa que recebeu uma mensagem de WhatsApp encaminhada pela delegacia informando que o celular era de procedência ilícita, fruto de um roubo a um estabelecimento comercial. Prosseguindo na apuração dos fatos, foi possível identificar uma mulher como sendo a responsável pela venda do telefone, e que a mesma teria outros aparelhos para vender.

Dessa forma, foi pleiteada no dia seguinte, perante o Plantão Judiciário, medida cautelar de busca e apreensão na residência da suspeita, cumprida na última sexta-feira. Na residência da mulher, os agentes apreenderam 65 munições de fuzil, 12 celulares, R$ 12 mil em espécie, 26 papelotes de maconha e um triturador de “ervas”.

Durante a consulta dos telefones celulares apreendidos, foi possível identificar que um aparelho era produto de roubo na circunscrição da 59ª DP (Duque de Caxias). A mulher foi presa em flagrante por receptação culposa.

Ao chegar à 52ª DP, a mulher confessou que estava na posse do telefone com procedência ilícita, mas negava veementemente a posse do restante do material ilícito apreendido. Ela indicou seu marido como sendo o possuidor de todo material.

Ao saber que a esposa estava presa, o homem compareceu espontaneamente à delegacia e confessou que as munições de fuzil, os demais celulares e os papelotes de maconha eram de sua responsabilidade. Foi instaurado inquérito policial e posteriormente será realizado o seu indiciamento. A 52ª DP prossegue na investigação para identificar outros envolvidos.

Celulares recuperados

Em um mês de trabalho, a 52ª DP já recuperou mais de 20 aparelhos produto de roubo ou furto. Os usuários dos aparelhos recebem uma mensagem por WhatsApp pedindo que compareçam à unidade em até 24 horas com a nota fiscal que comprove a aquisição lícita do equipamento. Quem não devolver o aparelho corre o risco de ser preso em flagrante pelo crime de receptação. Todos os celulares recuperados são devolvidos aos donos.

– Esta é uma mensagem cuja veracidade pode ser checada por meio das redes sociais da Polícia Civil. Nós não marcamos encontros em lugares públicos, como praças e shopping centers. A pessoa é chamada a comparecer à própria delegacia, o que dá legitimidade ao aviso – explica o delegado Celso Gustavo Castello Ribeiro, titular da 52ª DP.

O delegado aconselha que as pessoas sempre verifiquem a procedência dos aparelhos que desejam comprar, para não correr riscos de infringir a lei.

– Procurem lojas e sites com boa reputação. Muitas vezes, os preços baixos podem parecer atrativos e a pessoa acaba cometendo um crime sem saber. Exija sempre a nota fiscal – afirma.