Polícia do Rio combate furto de combustível de dutos da Petrobras

Arquivado em: Destaque do Dia, Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 2 de março de 2021 as 13:50, por: CdB

Policiais civis e integrantes do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) cumpriram nesta terça-feira cinco mandados de prisão e 14 de busca e apreensão contra suspeitos de furtar combustível de dutos da Petrobras. Até as 7h, quatro pessoas já tinham sido presas na ação.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

Policiais civis e integrantes do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) cumpriram nesta terça-feira cinco mandados de prisão e 14 de busca e apreensão contra suspeitos de furtar combustível de dutos da Petrobras. Até as 7h, quatro pessoas já tinham sido presas na ação.

Polícia combate furto de combustível de dutos da Petrobras

Os mandados da operação Porto Negro estão sendo cumpridos nas cidades do Rio de Janeiro, Duque de Caxias e Itaboraí, além dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná.

Segundo a Polícia Civil, um capitão da Polícia Militar do Rio é suspeito de chefiar o grupo, que atua fazendo perfurações nos dutos de petróleo em municípios da Baixada Fluminense.

Foram identificados pontos de perfuração de dutos em Guapimirim, Nova Iguaçu e Queimados. Em Queimados, a polícia descobriu que o grupo construiu um túnel para fazer a perfuração. Ele também criou uma via de acesso para caminhões chegarem até o local e escoar o produto furtado.

O petróleo furtado era transportado para Rolândia, no Paraná, para adulteração e revenda.

Cabos de telefonia

A Secretaria de Estado de Polícia Civil (Sepol), por meio da Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD), interditou um grande depósito em Nilópolis, na Baixada Fluminense, nesta terça-feira. Cerca de 10 toneladas de cobre retirados de cabos de concessionárias de telefonia foram apreendidos. A ação faz parte de uma investigação que apura grandes receptadores de fios dessas empresas. Um homem foi levado para a delegacia.

De acordo com as investigações, o local funcionava com uma espécie de entreposto de uma rede de receptadores de diversos ferros-velhos e reunia toneladas de cobres para revenda em grandes quantidades. Segundo os agentes, o depósito contava com uma estrutura empresarial, com ramificações interestaduais, empresas compostas por outras pessoas jurídicas para dificultar a identificação dos reais proprietários e a origem do material e dos valores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code