Polícia do Rio prende chefe da maior milícia de Belford Roxo

Arquivado em: Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 19 de março de 2021 as 13:34, por: CdB

A Força-Tarefa da Polícia Civil de combate às milícias prendeu em flagrante, nesta sexta-feira, um criminoso conhecido como “Macalé”, considerado o chefe da maior quadrilha de milicianos que atua em Belford Roxo, na Baixada Fluminense.

Por Redação, com ACS – do Rio de Janeiro

A Força-Tarefa da Polícia Civil de combate às milícias prendeu em flagrante, nesta sexta-feira, um criminoso conhecido como “Macalé”, considerado o chefe da maior quadrilha de milicianos que atua em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. Os agentes apreenderam uma pistola, dois carregadores e munições com o bandido. Ele também é acusado de matar o policial militar Luís Carlos de Almeida da Silva Junior, em abril de 2020, quando o oficial estava saindo do serviço.

Força-Tarefa da Polícia Civil prende chefe da maior milícia de Belford Roxo e autor de homicídio de um policial militar

A ação foi realizada pela Delegacia de Polícia Interestadual – Divisão de Capturas (DC-Polinter) e com o apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Segundo os agentes, a quadrilha é conhecida como “Milícia do Babi” e atua nas comunidades Santa Maria, São Bernardo, Santa Amélia e Amapá. As investigações demonstraram que o grupo criminoso estava expandindo seus domínios para o bairro Xerém, em Duque de Caxias.

O grupo é responsável por diversos delitos em Belford Roxo, onde atua extorquindo moradores e comerciantes, além de outros crimes graves, como tortura, roubos e homicídios. A organização também é acusada de comandar o comércio de água, gás, internet e transporte alternativo na região.

Ainda de acordo com os agentes, o miliciano estava sendo monitorado há um mês. As investigações revelaram que ele levava uma vida normal, indo a boates, festas e shoppings. Após amplo trabalho de inteligência, ele foi localizado e detido em uma casa, que estava sendo construída para o criminoso morar com a namorada. Ao ser preso, o miliciano confessou os crimes e a morte do policial militar. Ele também responde por roubo majorado pelo concurso de pessoas e pelo emprego de arma de fogo e também por integrar associação criminosa.

O miliciano foi autuado em flagrante e vai responder por crime de porte ilegal de arma de fogo de uso restrito. Além disso, também foi apreendido seu veículo blindado e uma carteira de identidade falsa. Contra ele ainda foram cumpridos três mandados de prisão preventiva expedidos pela Justiça. Ele será encaminhado ao sistema prisional e ficará à disposição da Justiça.

São Gonçalo

Agentes da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG) prenderam, nesta sexta-feira, o último envolvido no latrocínio do policial civil Rodrigo Roboredo, ocorrido em 13 de janeiro deste ano, no bairro Camarão, em São Gonçalo. Contra ele foi cumprido um mandado de prisão temporária.

Segundo os agentes, as investigações mostram que o criminoso levou o adolescente, apreendido no dia 9 fevereiro, até o local do crime, e também teria comprado gasolina para abastecer o veículo utilizado no roubo. Outro envolvido no latrocínio já havia sido capturado no dia 5 de fevereiro.

Mulheres

A equipe da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) prendeu, na quarta-feira , em Curitiba, no Paraná, duas mulheres acusadas de matar o perito papiloscopista aposentado da Polícia Civil, Ricardo Girardi Araújo. O corpo da vítima foi encontrado em uma casa, no município de Nova Iguaçu, no dia 18 de fevereiro deste ano.

A investigação e imagens de câmeras apontaram que uma das acusadas, cuja a vítima tinha uma filha, fez o disparo na cabeça dele. A dupla fugiu em seguida. Na ocasião, as mulheres roubaram a arma do perito, bens pessoais e dois carros, um deles abandonado na Rodovia Presidente Dutra. As digitais das acusadas foram encontradas no veículo de Ricardo.

Após o crime, as mulheres fugiram para o sul do país, onde faziam passeios turísticos utilizando o dinheiro roubado. Segundo os agentes, as duas já possuíam anotações criminais anteriores por furto.