Polícia vai indiciar 20 traficantes por atentados no Rio

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado sexta-feira, 11 de abril de 2003 as 09:42, por: CdB

O delegado titular da Delegacia de Repressão a Ações Criminosas Organizadas (Draco)do Rio, Milton Olivier, anunciou nesta quinta-feira que indiciará pelo menos 20 traficantes como responsáveis pelos atentados ocorridos na cidade. Segundo o delegado, cinco bandidos estão soltos e o restante está preso no Complexo Penitenciário de Bangu. Entre os indiciados estão Márcio dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, Jorge Alexandre Cândido Maria, o Sombra, Isaías Costa Rodrigues, o Isaías do Borel, e Marcos Vinicius da Silva, o Lambari do Jacarezinho. O inquérito deverá ser concluído em duas semanas.

Na quinta-feira o traficante Jurandir Dias, o Caju, acusado de participar de ações violentas no Rio nos últimos dias, morreu em uma troca de tiros com policiais que realizavam uma operação na favela Pavão-Pavãozinho, na Zona Sul da cidade. O traficante Gildo Cerqueira, conhecido como Copinho, também foi morto na ação.

Caju também era suspeito pelo lançamento de uma granada na entrada do Shopping Rio-Sul, na quarta, e de outras duas granadas na entrada de um hotel de luxo e de um supermercado, também na zona sul, na semana passada. Além disso, era suspeito de ter decapitado uma pessoa no mês passado e de ter deixado a cabeça dela dentro do banheiro público do Shopping Rio-Sul, o mais importante da Zona Sul.

Na manhã desta quinta-feira, depois de 20 dias de investigações em conjunto, a Superintendência da Polícia Federal do Rio e a Secretaria de Segurança Pública apreenderam uma carga de armamento destinada a traficantes da Vila do João, no Complexo da Maré, ligados à facção da qual um dos principais chefes é o traficante Paulo Cesar da Silva dos Santos, o Linho.

Foram apreendidas 50 granadas ofensivas FMK2, de alto poder de destruição (raio de 20 metros) do Exército argentino, e 20 mil cartuchos calibre 7,62 usados em fuzis. Três pessoas foram ptesas.

A governadora Rosinha Matheus afirmou que todo o efetivo da polícia está nas ruas para garantir a ordem e evitar atos de violência como os que voltaram a acontecer na útima madrugada.