Polícia volta à Cidade de Deus à procura de assassinos de oficial

Arquivado em: Destaque do Dia, Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 7 de maio de 2018 as 12:04, por: CdB

O policial seguia para o 18º batalhão, no bairro, onde chefiava o serviço reservado da unidade militar. As ações tiveram início depois que o serviço de inteligência da corporação recebeu a informação de que os assassinos seriam da comunidade

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro:

A Polícia Militar fez nesta segunda-feira nova operação contra o tráfico de drogas na Cidade de Deus, em Jacarepaguá, na Zona Oeste. As ações na comunidade ocorrem diariamente desde a última quinta quando o capitão Stefan Contreiras, de 36 anos, foi assassinado a tiros por dois homens que tentaram roubar a moto do oficial, na Estrada do Capenha, em Jacarepaguá.

Policiais militares circulam na Cidade de Deus

O policial seguia para o 18º batalhão, no bairro, onde chefiava o serviço reservado da unidade militar. As ações tiveram início depois que o serviço de inteligência da corporação recebeu a informação de que os assassinos seriam da comunidade. Dois batalhões da PM, com auxílio da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), participam da ação.

Apesar do cerco à comunidade, a Linha Amarela, via expressa que corta à Cidade de Deus esteve com tráfego normal nos dois sentidos.

Outras ações

Duas operações da Polícia Militar continuam em andamento no Rio. O Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope); ocupa o Complexo do Lins, na Zona Norte, para combater o roubo de cargas e o tráfico de drogas.

Na semana passada, a PM esteve na mesma comunidade e, por medida de segurança, fechou a Estrada Grajaú-Jacarepaguá, por cerca de 4 horas, enquanto durou a ação. Nesta segunda-feira, no entanto, a estrada ficou aberta ao tráfego nos dois sentidos.

Na Zona Sul, nos morros do Pavão/Pavãozinho, em Copacabana; com apoio da UPP da comunidade; homens do Batalhão de Ações com Cães, fazem uma operação contra o tráfico de drogas na comunidade. Na chegada dos militares, houve confronto com o crime organizado; mas não houve feridos ou prisões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *