Policial que matou Daunte Wright é acusada de homicídio culposo

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 15 de abril de 2021 as 11:15, por: CdB

Agente Kim Potter disparou contra o jovem afro-americano Daunte Wright durante controle de trânsito num subúrbio de Mineápolis. Polícia afirma que ela confundiu arma com eletrochoque e não teve a intenção de matar.

Por Redação, com DW – de Washington

A policial que matou o jovem afro-americano Daunte Wright durante um controle de trânsito num subúrbio de Mineápolis foi detida na quarta-feira, depois de um promotor acusá-la de homicídio culposo em segundo grau.

Morte de Daunte Wright motivou protestos contra a violência policial em Brooklyn Center, nos arredores de Mineápolis

A policial, identificada como Kim Potter, demitiu-se na terça-feira da polícia de Minnesota, onde trabalhava havia 26 anos, junto com o chefe dela, Tim Gannon.

O promotor disse que Potter, de 48 anos, foi levada para uma cadeia. Ela foi mais tarde liberada depois de pagar fiança e aguarda para ser apresentada a um tribunal.

Pela legislação de Minnesota, homicídio culposo em segundo grau é aplicado em casos em que o acusado age de forma negligente, criando conscientemente um risco desproporcional de matar outra pessoa. A pena máxima é de 10 anos de cadeia.

Gannon declarou que o disparo que matou Wright foi acidental e que Potter confundiu a sua arma de serviço com um taser, uma arma não letal que provoca uma forte descarga elétrica.

A acusação

A acusação de homicídio culposo em segundo grau indica que os promotores acataram a versão apresentada pela polícia, de que Potter não teve a intenção de matar Wright.

A morte de Wright motivou três noites seguidas de protestos contra a violência policial na pequena cidade de Brooklyn Center, nos arredores de Mineápolis, resultando em confrontos violentos entre os manifestantes e policiais.

O clima na região já é tenso por causa do julgamento, também em Mineápolis, do assassinato de Derek Chauvin, policial acusado de assassinar George Floyd, a poucos quilômetros de onde Wright foi morto.