Polo de nacionalidade

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 29 de janeiro de 2021 as 10:17, por: CdB

 

A maior vitória sindical durante o século XXI (e me refiro a uma vitória no palco mundial) foi a conquista, a garantia e a legalização da política de valorização do salário mínimo no Brasil, agora abandonada pelo governo.

Por João Guilherme Vargas Netto – de São Paulo

A maior vitória sindical durante o século XXI (e me refiro a uma vitória no palco mundial) foi a conquista, a garantia e a legalização da política de valorização do salário mínimo no Brasil, agora abandonada pelo governo.

Ao agirem assim as centrais sindicais demonstraram sua relevância na sociedade brasileira

As centrais sindicais durante uma década travaram uma luta constante, unitária e opiniática com a realização das marchas à Brasília e a inestimável ajuda do Dieese exigindo a valorização, garantindo sua continuidade (nos governos FHC e Lula) e conquistando a lei que institucionalizou (com a presidente Dilma) a conquista.

Ao agirem assim as centrais sindicais demonstraram sua relevância na sociedade brasileira reivindicando uma política (e negociando sua validação) que ia muito além, em termos sociais, de suas bases organizadas e se concretizava em ganhos para milhões de trabalhadores (formais e informais), para os aposentados, para as prefeituras e, no fim das contas, para toda economia brasileira.

Trágica situação da pandemia

Na trágica situação da pandemia as centrais sindicais vêm desempenhando o mesmo e relevante papel, basta lembrar o 1º de Maio virtual.

Ao cumprirem agora a pauta dos cinco pontos centrais (vacina, ajuda emergencial aos trabalhadores e pequenas empresas, emprego, valorização sindical e solidariedade social) e trabalharem essa pauta com sindicatos, federações e confederações, o Fórum das Centrais se afirmou como a mais persistente, a mais abrangente e a mais popular das instituições nacionais, indo muito além de sua representação organizada e dando à sociedade uma lição de unidade e de preocupação efetiva com as dificuldades do povo.

Nas graves crises de uma nação algumas instituições encarnam a vontade nacional capaz de fazer frente a elas e vencê-las. O movimento sindical brasileiro, representante institucional da classe trabalhadora, tem se demonstrado distante da demofobia, da desorientação ideológica e da demagogia dos rentistas, dos empresários e do próprio governo e atuado como um verdadeiro polo de nacionalidade.

João Guilherme Vargas Netto, é consultor sindical de diversas entidades de trabalhadores em São Paulo.

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil