Por que estão requentando denúncia da Vaza Jato?

Arquivado em: Arquivo CDB, Boletim, Destaque do Dia, Direto da Redação, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021 as 16:22, por: CdB
Alguns palpites sobre a possível razão pela qual estão requentando as denúncias da Lava Jato.
Colunista suspeita haver outros motivos
A Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, é provavelmente a colunista mais bem informada sobre o que rola nos bastidores dos Poderes desta república das bananas. Perco a conta das vezes em que suas dicas de cocheira se confirmaram quando o páreo foi disputado.
Acompanhando há muitos anos o seu trabalho, eu diria que ela tem mais simpatia pelo petismo, mas exerce seu trabalho de forma bem profissional, com a imparcialidade possível num ser humano (no fundo, no fundo, sempre torcemos por um dos lados, mas o grande diferencial é se estamos ou não dispostos a distorcer nossos julgamentos para adequá-los às preferências pessoais).
Eis o que ela diz sobre a ostensiva campanha em curso para reabilitar Lula e dar-lhe condições de concorrer a um terceiro mandato em 2022:
“O STF não deve devolver a Lula o direito político de disputar as eleições. Mesmo que Sergio Moro seja considerado parcial no julgamento do ex-presidente no caso do tríplex do Guarujá, neste semestre, o petista deve seguir inelegível depois de eventual veredicto contra o ex-juiz.
 
O problema é que Lula tem outra condenação, por obras no sítio de Atibaia. Ainda que a defesa do ex-presidente insista que Moro atuou também nesse processo, os ministros da 2ª Turma do STF devem analisar somente o caso do tríplex.
 
Assim, a condenação de Lula no processo de Atibaia persistirá. E o ex-presidente permanecerá inelegível pelo menos até eventual julgamento de imparcialidade do ex-juiz também neste caso —que não tem data certa para ocorrer”.
Num terreno tão minado como esse, eu também prefiro apenas dar uns pitacos sobre o que depreendo das movimentações em curso, pois já existem juristas demais (e jornalistas que se supõem juristas) emitindo opiniões sobre o certo e o errado, o legal e o ilegal.  Não serei eu mais um a vestir toga alugada em loja de adereços teatrais…
Meu maior receio é que o bolsonarismo venha a ser o principal beneficiário (além do provável inspirador secreto) dessa nova de denúncias requentadas da Vaza Jato:

— serve para desviar a atenção da destruição da Lava Jato, orquestrada pelo Bozo numa verdadeira traição a todos aqueles que nele votaram acreditando que assim reforçariam o combate à corrupção;

— ajuda a desmoralizar Moro, tido pelo alucinado como um possível adversário temível em 2022;
— e dá uma forcinha para Lula voltar à tona, quando já estava merecidamente esquecido em função de tudo que não fez durante a tragédia humanitária da covid, quando permaneceu hibernando durante um momento decisivo para o Brasil.
Continuo não acreditando que Bolsonaro vá ser candidato à reeleição; acho muito mais provável que, em outubro de 2022, ele seja um ex-presidente (apeado do cargo há pelo menos um ano) e que esteja exilado, encarcerado ou em prisão domiciliar. E ainda será pouco, no caso dele.
Mas, se não formos mesmo um país sério e a frase atribuída a De Gaulle realmente nos definir, o Lula, queimado em definitivo, será a melhor e talvez única chance de vitória do Bozo em 2022.
Se tal desgraça acontecer, não digam que não avisei.
Por Celso Lungaretti, jornalista, resistente e preso durante a Ditadura militar, editor do blog Náufrago da Utopia.
Direto da Redação é um fórum de debates editado pelo jornalista Rui Martins.