Porte de armas generalizado é promessa da direita, com apoio na esquerda

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 17 de julho de 2018 as 17:46, por: CdB

Representante das oligarquias, o ex-governador paulista, em recente encontro com empresários e ruralistas do Mato Grosso do Sul, voltou a afirmar que, se eleito, vai facilitar o armamento na zona rural.

 

Por Redação – de São Paulo

 

O porte de armas para cada brasileiro nato, com título de eleitor e maior de 18 anos é um projeto que recebe a defesa de pré-candidatos da direita, a exemplo de Geraldo Alckmin (PSDB); da ultradireita, com Jair Bolsonaro; mas não é consenso apenas do campo conservador. Líder do Partido Comunista Operário (PCO), da extrema esquerda, Rui Costa Pimenta sai em defesa do armamento generalizado, como forma de combate ao capitalismo.

Assista ao vídeo, com o posicionamento do PCO:

Estatuto do Desarmamento

Geraldo Alckmin defende o armamento da população rural

Representante das oligarquias, o ex-governador paulista, em recente encontro com empresários e ruralistas do Mato Grosso do Sul, voltou a afirmar que, se eleito, vai facilitar o armamento das populações nas zonas rurair para coibir “as invasões de fazendas”.

— Na questão da invasão: é intolerável, conflitos e invasões. As ações vão ser para coibir ameaças no ambiente produtivo. Na área urbana você pode ligar para o 190, mas na área rural? Área rural é diferente e vamos facilitar o armamento para zona rural — afirmou Geraldo Alckmin, em um claro ataque às posições do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST).

Uma vez liberado o porte de armas para os grileiros, no entanto, estaria aberta a possibilidade de armamento também dos posseiros. O fato teria, como efeito imediato, segundo analistas, a escalada da violência no campo.

O tucano diz que defende o Estatuto do Desarmamento mas, se for eleito, pretende facilitar o porte de armas para a população na zona rural. Ao adotar um discurso mais incisivo na área da segurança pública, Alckmin procura também disputar espaço com o presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, que tem o setor como um dos principais temas de campanha.

Armas para todos

Em um dos tantos eventos tumultuados, por onde passa, Bolsonaro chegou a prometer, em Belém, a ampliação do porte de armas para todos no país. Ele afirmou, em um encontro com radicais da extrema direita, na capital paraense que, com ele, “não existirá o politicamente correto”.

No discurso, ao lado de representantes da “bancada da bala” paraense, entre eles o deputado federal delegado Éder Mauro (PSD) e o deputado estadual coronel Neil (PSD); além do vereador sargento Silvano (PSD) – Bolsonaro afirmou que, com ele, “não existirá o politicamente correto”.

— No que depender de mim, com a ajuda de vocês, todos terão porte de arma de fogo — concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *