Portela descarta samba para 2022 que pedia ‘resistência ao ditador’

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado sábado, 2 de outubro de 2021 as 11:32, por: CdB

No ano que vem, a escola levará à Marquês de Sapucaí o enredo Igi Osè Baobá, sobre o baobá, árvore milenar da África, considerada a árvore da vida e que remete à religiosidade, aos orixás e ao candomblé. O autor do samba vencedor foi Wanderley Monteiro com outros autores.

Por Redação, com Brasil de Fato – do Rio de Janeiro

A Portela escolheu na última quinta-feira seu samba para o desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro em 2022, mas a reação negativa da torcida foi suficiente para que a agremiação de Madureira, na Zona Norte da cidade, ficasse entre os assuntos mais comentados nas redes sociais e ocupasse o ranking dos cinco temas mais mencionados no Twitter.

Em 2020, a escola de Madureira levou à Sapucaí a história dos índios tupinambás no Rio de Janeiro

No ano que vem, a escola levará à Marquês de Sapucaí o enredo Igi Osè Baobá, sobre o baobá, árvore milenar da África, considerada a árvore da vida e que remete à religiosidade, aos orixás e ao candomblé. O autor do samba vencedor foi Wanderley Monteiro com outros autores, mas fãs da Portela vinham acompanhando o sucesso do samba concorrente de Samir Trindade e esperavam que a letra fosse sair vencedora na disputa.

Nas redes sociais, Trindade disse que sua indignação não tem relação com o autor e com o samba concorrente e pediu que a comunidade portelense se una em torno da escola e da canção vencedora. Mas reclamou da direção atual da agremiação e sinalizou que a escolha foi política. Samir disse também que ontem “o preconceito e a inveja venceram a Portela”.

Um dos trechos da letra que perdeu a disputa traz uma crítica possivelmente à política, na qual o autor afirma que “mito é Paulo Benjamin”, o Paulo da Portela, um dos nomes mais importantes da escola de Madureira, e continua: “Mito é Paulo Benjamin / Por todo portelense que nos deixou / Clamo as raízes, resistência ao ditador”.

– Hoje é o dia mais triste da minha trajetória como compositor, fiz de tudo o que estava ao meu alcance, dentro da minha dignidade, para vencer essa samba. Algumas pessoas que amam e colocam a Portela em primeiro lugar também tentaram me ajudar, mas infelizmente não deu. Dos sambas concorrentes, esse foi o mais aclamado e abraçado pela comunidade da Portela – afirmou o compositor.

Ouça o samba de Wanderley Monteiro, que venceu a disputa, e o samba de Samir Trindade, que vinha sendo apontado como favorito:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

code