Praças de nossas vidas

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 5 de abril de 2019 as 09:43, por: CdB

A cidade e suas praças. Lugares que tingem o tempo, marcando fatos e emoções coletivas; vincando em nossa alma nossas próprias experiências.

Por Luciano Siqueira – de Brasília

Na infância, em Natal, ir às tardes de domingo à Praça Pedro Velho era um deslumbre. Esculturas de bichos talhadas nos pés de fícus por jardineiros habilidosos inspiravam minhas fantasias de menino. As retretas. O amendoim torrado, o sorvete de coco ou de maracujá ou de baunilha. As fotos de família. Minha mãe, que faleceu aos 93 anos, conservou esmaecido álbum em que os filhos e a única filha posam em bancos de jardim da velha praça.

As cidades se modernizam. Mutações se sucedem na ocupação e no uso que as pessoas fazem do território

Uma noite, já adolescente e estudante do Atheneu, ali próximo da águia, na esquina, o estampido e o alvoroço causado pelo suicida anônimo. “Rapaz tão jovem, deve ser coisa de amor incompreendido”, ouvi de uma senhora triste.

As cidades se modernizam. Mutações se sucedem na ocupação e no uso que as pessoas fazem do território. Em favor do progresso, rasgam-se avenidas, mudam-se paisagens. A vida ganha outro ritmo, sob o embalo da concorrência, da TV e na Internet. Tudo por um lugar ao sol, que está difícil. E para não correr riscos, que a insegurança é geral, usamos o telefone e o e-mail e, sobretudo, o WhatsApp – visitas aos amigos podem esperar.

Mas as praças continuam necessárias. Quando restauradas, logo crianças ocupam os brinquedos, adultos se entregam ao tabuleiro de damas ou de dominó. É uma festa na boquinha da noite.

O Recife tem quase três centenas de praças – grandes, médias e pequenas; praças simples, concebidas por arquitetos e paisagistas quase desconhecidos e praças monumentais, assinadas por Burle Marx . Mais de cento e sessenta são adotadas por instituições e empresas, que delas cuidam o ano inteiro e as ornamentam no período natalino.

A Praça Fernando Figueira, na Ilha do Leite, para mim tem um significado muito particular. Belíssima. Gosto de vê-la, ainda que de passagem.

Fernando Figueira, meu professor de pediatria, no final dos anos sessenta marcou a minha vida e a de mais trinta e seis colegas ao presidir o inquérito que nos livrou da cassação sumária do direito de estudar por três anos, como desejava o general Souto Malan, então comandante do IV Exército.

Em plena ditadura militar, a peça por ele apresentada à Congregação da Faculdade é um manifesto contundente em defesa da liberdade de expressão, da autonomia universitária e da democracia. Sob comoção, por unanimidade ficou decidido que nenhum aluno seria cassado.

Fui cassado, junto com os colegas Marcos Burle e Alírio Guerra, um mês após, em período de férias, por ato solitário do vice-diretor. Mas ficou para sempre a bela página inscrita na História pelo professor Fernando Figueira.

Aquela praça vejo como expressão da sempre viva luta pela Liberdade.

Luciano Siqueira, é médico, vice-prefeito do Recife, membro do Comitê Central do PCdoB.

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *