Preços ao consumidor registra leve queda em outubro

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 1 de novembro de 2019 as 10:27, por: CdB

Tiveram inflação, despesas com vestuário (0,13%), saúde e cuidados pessoais (0,29%), transportes (0,20%) e despesas diversas (0,38%).

Por Redação, com ABr – de Brasília

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) registrou deflação (queda de preços) de 0,09% em outubro. Em setembro, o índice, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV) em sete capitais, não havia registrado variação de preços. O IPC-S acumula taxas de 2,81% no ano e de 2,93% nos últimos 12 meses.

Inflação registrada nos setores de vestuário (0,13%), saúde e cuidados pessoais (0,29%), mostrou FGV
Inflação registrada nos setores de vestuário (0,13%), saúde e cuidados pessoais (0,29%), mostrou FGV

Quatro das oito classes de despesas tiveram queda na taxa em outubro, entre elas alimentação (-0,28%) e habitação (-0,40%). Também registraram deflação de educação, leitura e recreação (-0,03%) e comunicação (-0,09%).

Por outro lado, tiveram inflação, despesas com vestuário (0,13%), saúde e cuidados pessoais (0,29%), transportes (0,20%) e despesas diversas (0,38%).

Estabilidade em setembro

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) registrou estabilidade de preços em setembro, segundo dados divulgados no dia 1º de outubro pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Em agosto, o IPC-S havia registrado inflação de 0,17%.

A queda da taxa foi puxada pelos gastos com alimentação e com habitação. Os alimentos, que já tinham registrado deflação (queda de preços) de 0,36% em agosto, tiveram um recuo de preços ainda mais intenso (-0,67%).

Já o grupo de despesas habitação teve uma queda na taxa de inflação, ao passar de 0,81% em agosto para 0,22% em setembro.

Os outros seis grupos de despesas tiveram alta na taxa: vestuário (de -0,29% para 0,01%), saúde e cuidados pessoais (de 0,18% para 0,29%), educação, leitura e recreação (de 0,13% para 0,31%), transportes (de 0,13% para 0,16%), despesas diversas (de -0,05% para 0,04%) e comunicação (de 0,38% para 0,54%).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *