Prefeito de Granjeiro é morto a tiros no Ceará

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 24 de dezembro de 2019 as 11:19, por: CdB

O prefeito da cidade de Granjeiro (CE), João Gregório Neto (PL), foi morto a tiros enquanto caminhava próximo à parede do Açude Junco, perto de sua casa, nesta terça-feira.

Por Redação, com agências de notícias – de Brasília

O prefeito da cidade de Granjeiro (CE), João Gregório Neto (PL), foi morto a tiros enquanto caminhava próximo à parede do Açude Junco, perto de sua casa, nesta terça-feira, informa o portal G1.

O prefeito da cidade de Granjeiro (CE), João Gregório Neto (PL)
O prefeito da cidade de Granjeiro (CE), João Gregório Neto (PL)

As circusntâncias da morte ainda são desconhecidas e são investigadas pela polícia.

Segundo testemunhas, um carro com suspeitos foi visto se aproximando do prefeito. Logo depois, foram ouvidos pelo menos três disparos. João Gregório Neto foi atingido pelas costas.

Moradores tentaram socorrer o prefeito, mas quando chegaram próximo ao local ele já estava morto.

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), equipes da Delegacia Regional de Juazeiro do Norte, da Regional de Iguatu e do Departamento de Polícia Judiciária do Interior Sul (DPJI Sul) da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) foram mobilizadas para identificar e localizar os criminosos.

João Gregório foi alvo de uma operação da Polícia Federal há pouco mais de um ano. Ele era suspeito de movimentar cerca de R$ 26 milhões na conta de um parente beneficiário de aposentadoria rural, num período de dois anos, segundo investigações da Operação Bricolagem, relativas a fraudes em licitações para construção de escolas. O valor dos contratos fraudados somava cerca de R$ 5 milhões. Um dos mandados foi cumprido em sua casa, onde foram encontrados R$ 213 mil em espécie, guardados em caixas de sapato.

No Facebook, a assessoria de imprensa divulgou nota:

“O município de Granjeiro encontra-se de luto pela morte do Prefeito João Gregório Neto (PL). Ele foi morto com tiros nesta manhã de terça-feira em circunstâncias ainda desconhecidas e que estão sendo investigadas pela Polícia. A administração Governo de Todos acredita na Justiça e espera que os responsáveis por este crime sejam punidos de acordo com a lei. Que Deus conforte a família, amigos e a população de Granjeiro neste momento de dor”.

Operação na Paraíba

A Polícia Federal deflagrou no útlimo sábado a operação Pés de Barro, que investiga superfaturamento de obras no interior da Paraíba, e realizou operação de busca e apreensão no gabinete do deputado federal Wilson Santiago (PTB-PB), afastado do mandato por decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), no âmbito da mesma operação.

Segundo nota da PF, que não cita Santiago nominalmente, a operação realizou 13 mandados de busca e apreensão e 4 de prisão preventiva nas cidades de João Pessoa, Brasília, Uiraúna (PB) e São João do Rio do Peixe (PB). Também foram expedidas 7 ordens de afastamento das funções públicas.

“As investigações apuram pagamentos de vantagens ilícitas (‘propina’) decorrentes do superfaturamento das obras de construção da ‘Adutora Capivara’, a qual se trata de um sistema adutor que deve se estender do município de São José do Rio do Peixe ao município de Uiraúna, no sertão da Paraíba. As obras contratadas, inicialmente, pelo montante de R$ 24.807.032,95  já teriam permitido, de acordo com as investigações, a distribuição de propinas no valor R$ 1.266.050,67 ”, disse a PF em nota.

“Os investigados deverão responder pelos crimes de peculato, lavagem de dinheiro, fraude licitatória e formação de organização criminosa, cujas penas, somadas, ultrapassam 20 anos de reclusão”, acrescentou a PF, afirmando que a apuração teve como base o acordo de colaboração firmado por um delator.

Delação

Em nota, Wilson Santiago afirmou que o delator vinha buscando uma narrativa para incriminá-lo a fim de conseguir um acordo de delação e disse estar à disposição para colaborar com a Justiça.

– Não podemos aceitar que a ação política fique refém dessas práticas. Dessa forma, tomaremos as medidas cabíveis para que a verdade venha à tona, com o esclarecimento das questões objeto da investigação e nossos direitos sejam restabelecidos. Estamos à disposição da Justiça para colaborar em todo o processo – disse Santiago em nota.

O advogado Luís Henrique Machado, que representa Santiago, disse que seu cliente recebeu com “respeito e acatamento” a decisão de Celso de Mello que o afastou do mandato. Disse ainda que o deputado afastado está tranquilo e demonstrará não ter relação com os fatos investigados.

O PTB afirmou, por meio de nota, que acompanhará o andamento das investigações e espera que Wilson Santiago consiga provar sua inocência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *