Prefeitura de Paris é multada por contratar muitas mulheres 

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 16 de dezembro de 2020 as 13:44, por: CdB

Gabinete formado por 11 mulheres e cinco homens rendeu multa de 90 mil euros à administração da capital francesa. Prefeita tacha punição de injusta e diz que o país deixa a desejar em termos de igualdade de gênero.

Por Redação, com DW – de Paris

A administração municipal de Paris foi multada em 90 mil euros (em torno de R$ 558 mil) por empregar um número “excessivo” de mulheres em posições de alto escalão.

“Precisamos promover as mulheres em toda a parte”, declarou a prefeita de Paris, Anne Hidalgo

Em uma reunião com o Conselho Municipal na terça-feira, a prefeita da capital francesa, Anne Hidalgo, classificou a punição como absurda e injusta. “Estou feliz por anunciar que fomos multados”, disse. O caso se refere às nomeações feitas para o gabinete municipal em 2018, que violariam uma lei que assegura a igualdade de gênero.

Naquele ano, 11 mulheres e cinco homens foram indicados para os cargos mais altos da prefeitura, o que significa que 69% dos cargos eram ocupados por mulheres. A proporção menor de homens levou o Ministério dos Serviços Públicos a impor a multa.

Uma lei de 2013 exigia um mínimo de 40% de nomeações para pessoas de cada gênero, mas, desde então, a legislação foi alterada para permitir exceções, quando o equilíbrio de gêneros é respeitado de modo geral.

Atualmente, 47% de todos os servidores públicos nos principais cargos da administração municipal de Paris são mulheres. “A administração da prefeitura se tornou, de repente, feminista demais”, riu a prefeita socialista.

“França deixa a desejar” em termos de paridade

– Essa multa é, obviamente, absurda, injusta, irresponsável e perigosa – criticou Hidalgo, em tom mais sério. “Precisamos promover as mulheres com determinação e vigor em toda a parte. A França ainda deixa a desejar.”

– Para um dia atingirmos a paridade, devemos acelerar o andamento e assegurar que mais mulheres do que homens sejam nomeadas – declarou a prefeita, que foi reeleita para um novo mandato no ano passado.

A ministra dos Serviços Públicos, Amelie de Montchalin, rebateu Hidalgo dizendo esperar que o valor da multa seja destinado a ações concretas para promover mulheres no serviço público, e convidou a prefeita a debater a questão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code