Presidente da Câmara bate pesado em Guedes, que responde com irritação

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 13 de março de 2020 as 14:02, por: CdB

Guedes já admite, publicamente, que o crescimento do PIB em 2020 seria de 1%, ele agora afirma que nem isso. Guedes, que previa um crescimento maiúsculo da economia, para este ano, disse a jornalistas, nesta sexta-feira, que ”será ainda mais difícil” crescer 1% nos meses seguintes.

Por Redação – de Brasília

Presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) fez duras críticas ao ministro da Fazenda, Paulo Guedes, que decidiu judicializar uma decisão do Parlamento. Guedes foi chamado de ‘medíocre’, após anunciar medidas de combate ao novo coronavírus.

Guedes conversou com Rodrigo Maia, na tentativa de colocar panos quentes na crise com Bolsonaro
A política econômica do governo, chefiada por Paulo Guedes, tem gerado um número cada vez maior de desempregados e irrita o presidente da Câmara

— Guedes não tinha uma coisa organizada ou não quis falar. Se olhar os projetos, tem pouca coisa que impacte a agenda de curto prazo ou quase nada — disse ele, sobre reunião do ministro com parlamentares, em que a única proposta foi a reforma administrativa.

Ainda segundo Maia, a administração de Guedes tem sido errática e irresponsável.

— Não posso acreditar que um homem de 70 anos, com a experiência dele, tenha mandado isso com essa intenção. A crise é tão grande que a gente não tem direito de imaginar que o ministro da Economia de uma das maiores economias do mundo possa ter pensado de forma tão medíocre — afirmou.

Narrativa

De acordo com o presidente da Câmara, faltam medidas de curto prazo.

— O que preocupou os parlamentares é que certamente teremos impacto de curto prazo e que essas reformas de médio e longo prazo não vão resolver. Temos uma crise de pandemia de um vírus que começa a crescer no Brasil. O que incomodou os parlamentares é que não sentimos e não vimos, se ele não podia falar ou se ainda não organizou, as soluções para os problemas de curto prazo, como nos setores da aviação civil e de serviços — afirmou o deputado.

Guedes já admite, publicamente, que o crescimento do PIB em 2020 seria de 1%, ele agora afirma que nem isso. Guedes, que previa um crescimento maiúsculo da economia, para este ano, disse a jornalistas, nesta sexta-feira, que ”será ainda mais difícil” crescer 1% nos meses seguintes.

Analistas avaliam que, segundo a narrativa de Guedes, o país terminará o ano em recessão, a prosseguir na atual política macroeconômica.

— O que aconteceu com o Brasil no ano passado quando não tinha reforma nenhuma? Cresceu 1%. E o que aconteceu no ano anterior? Cresceu 1%. E no anterior? Cresceu 1%. Neste ano, com o coronavírus, vai ser ainda mais difícil crescer 1% se não fizermos as reformas — previu, visivelmente irritado.

Novas medidas

Ainda aos jornalistas, Guedes respondeu a Rodrigo Maia. Ele disse que apresentará, em 48 horas, medidas econômicas para combater os efeitos do coronavírus. Algumas iniciativas foram adiantadas, como a isenção tributária para importação, reforço da atuação de bancos públicos e até o possível adiamento do pagamento de impostos por parte de empresas em dificuldades.

— Quero atender ao pedido do presidente Rodrigo Maia dizendo estamos atentos, da mesma forma que ele pediu. Estamos reagindo em 48 horas. O presidente da Câmara está pedindo medidas? Em menos de 48 horas vamos soltar. Vocês vão ver, de hoje para segunda-feira vai sair muito mais coisa — acrescentou.

O ministro, no entanto, aproveitou para cobrar o Congresso sobre o avanço das reformas.

— Gostaria também que as principais lideranças políticas do país reagissem também com muita velocidade a nossas reformas para reforçar a saúde econômica do Brasil — concluiu.