Presidente da Câmara é citado em delação premiada por suborno

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 14 de maio de 2019 as 18:49, por: CdB

A menção a Maia e a outros sete parlamentares e ex-parlamentares consta do Anexo 7, um dos 10 anexos do acordo de colaboração que o empresário firmou em fevereiro com o Ministério Público Federal (MPF).

 

Por Redação – de Brasília

 

Sócio-fundador da companhia aérea Gol, o empresário Henrique Constantino citou em acordo de delação premiada o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), como envolvido em “benefícios financeiros” por meio da Associação Brasileira de Empresas Aéreas (Abear), segundo informações obtidas pela agência inglesa de notícias Reuters.

Rodrigo Maia
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia é acusado de receber propina de uma companhia aérea

A menção a Maia e a outros sete parlamentares e ex-parlamentares consta do Anexo 7, um dos 10 anexos do acordo de colaboração que o empresário firmou em fevereiro com o Ministério Público Federal (MPF), que foi homologado pela Justiça Federal em Brasília.

O conteúdo da delação que envolve o presidente da Câmara e os demais parlamentares e ex-parlamentares, que foi obtido pela agência, está sob sigilo. Em entrevista durante viagem que faz a Nova York, Maia disse que Constantino está mentindo e que esse será “mais um” dos casos de investigação arquivada.

— Nunca me pagou nada, isso é mentira dele. Não tem como provar e vai ser mais um inquérito arquivado na Justiça brasileira — afirmou Maia.

Tranquilidade

O presidente da Câmara reuniu-se com empresários e investidores estrangeiros organizado pelo Grupo Safra, na noite passada.

— Nunca tive relação com ele, nunca tive nenhum benefício deles. Como outras delações que já foram arquivadas, como da Odebrecht, essa vai ser arquivada também — completou.

O presidente da Câmara disse que não conhece o empresário e que vai dar explicações à Justiça com “a maior tranquilidade do mundo”.

— Nunca falei com ele na minha vida — afirmou.

Autoridades

Em nota, a Abear disse desconhecer os fatos e o teor da delação de Constantino.

“Caso a entidade seja procurada pela Justiça para esclarecimentos, estará à disposição”, acrescentou.

A Gol afirmou, também em nota, que Constantino não faz parte da administração da empresa desde o final de julho de 2016, quando deixou o conselho de administração, e disse que a companhia sempre esteve à disposição e colaborou com as autoridades.

Outros envolvidos

Na delação, Constantino acusou também, em depoimento ao Ministério Público Federal em Brasília, políticos do MDB —como o ex-presidente Michel Temer, o ex-ministro Geddel Vieira Lima e o deputado cassado Eduardo Cunha.

Na delação, o empresário disse que houve pagamentos de propina em troca da liberação de financiamentos da Caixa Econômica Federal para suas empresas.

Henrique Constantino relatou, em depoimento feito no dia 25 de fevereiro a procuradores da República, que participou de uma reunião com o então vice-presidente da República Michel Temer, em 2012, na qual houve a solicitação de 10 milhões de reais em troca da atuação dos emedebistas em favor dos financiamentos pleiteados pelo seu grupo empresarial na Caixa.

Segundo o empresário, o repasse de R$ 10 milhões foi efetuado por meio de pagamentos para a campanha a prefeito de São Paulo de Gabriel Chalita, à época filiado ao MDB, por meio de empresas indicados pelo doleiro Lúcio Funaro.

Temer, que está preso desde a semana passada e deve ter julgado nesta terça-feira um pedido de liberdade pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou qualquer irregularidade, por meio de nota da defesa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *