Presidente da Câmara, Rodrigo Maia avalia que o ‘país vai explodir, em janeiro’ por culpa do governo

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 10 de novembro de 2020 as 13:23, por: CdB

Segundo Maia, já deveria ter ocorrido uma sinalização de qual é a agenda do governo para o enfrentamento da crise e o país irá explodir no próximo ano, caso não haja articulação no Legislativo.

Por Redação – de Brasília

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que o país irá explodir no próximo ano caso não haja articulação para a votação de propostas no Legislativo, em mais uma cobrança para que o governo mobilize sua base e garanta a aprovação de matérias prioritárias para a recuperação econômica.

Presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) tem feito duras críticas ao comportamento do ministro da Economia, Paulo Guedes
Presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) tem feito duras críticas ao comportamento do ministro da Economia, Paulo Guedes

De acordo com o deputado, já deveria ter ocorrido uma sinalização de qual é a agenda do governo para o enfrentamento da crise. A entrevista de Maia à rede norte-americana de TV CNN foi reprisada na manhã desta terça-feira.

— A esquerda está obstruindo (a pauta) por um motivo, e a base por outro. Quem tem interesse na pauta é o governo. O Brasil vai explodir em janeiro se as matérias não forem votadas. O dólar vai a R$ 7, a taxa de juros de longo prazo vai subir, para um país que, hoje, no final do ano, vai ter 100% da sua riqueza em dívida — disse o presidente da Câmara, que enfrenta um obstáculo duplo para a votação de propostas na Casa, à CNN Brasil.

Disputa

A oposição vem obstruindo os trabalhos da Câmara até que seja pautada medida provisória que prorroga o auxílio emergencial, mas no valor de R$ 300. A intenção desses parlamentares é aumentar o valos para ao menos R$ 600.

Já o chamado ‘Centrão’, grupo de direita que propicia a sustentação do governo, no Congresso, trava disputa com o grupo de Rodrigo Maia não apenas pela Presidência da Comissão Mista de Orçamento (CMO), mas também pelo comando da Casa. O conflito tem resultado na recente obstrução da base do governo.