Presidente e diretoria do Banco Central iniciam mandatos fixos

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 20 de abril de 2021 as 14:52, por: CdB

De acordo com a Lei Complementar nº 179, sancionada em fevereiro de 2021, fica estabelecida a autonomia do BC, com mandatos definidos para os dirigentes da autarquia. Ficam definidos, assim, os parâmetros para a independência completa da autoridade monetária, fato até agora inédito na história da autarquia.

Por Redação – de Brasília

Com as nomeações publicadas no Diário Oficial da União desta terça-feira, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, e sete diretores passam a cumprir mandatos fixos na diretoria da autoridade monetária brasileira. De acordo com a Lei Complementar nº 179, sancionada em fevereiro de 2021, fica estabelecida a autonomia do BC, com mandatos definidos para os dirigentes da autarquia.

Presidente do Banco Central, Campos Neto também preside o Conselho de Política Monetária (Copom), que regula a taxa de juros oficial do país (Selic)
Presidente do Banco Central, Campos Neto também preside o Conselho de Política Monetária (Copom), que regula a taxa de juros oficial do país (Selic)

Os diretores Fábio Kanczuk e João Manoel Pinho de Mello cumprirão mandato até 31 de dezembro deste ano. Bruno Serra Fernandes e Paulo Sérgio Neves de Souza permanecerão nos cargos até 28 de fevereiro de 2023, Maurício Costa de Moura, até 31 de dezembro de 2023 e, por fim, Campos Neto, Carolina de Assis Barros e Otávio Ribeiro Damaso ficarão até 31 de dezembro de 2024. Todos os nomeados terão seus mandatos renovados por apenas uma vez.

Substituta

Já a diretora Fernanda Nechio será afastada da função, por motivos pessoais e exonerada após a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em maio. Ela continuará à frente da área de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos até que seja oficializado o desligamento da autarquia.

O BC aguarda, ainda, a aprovação da substituta de Nechio pelo Senado Federal, a economista Fernanda Magalhães Rumenos Guardado. Ela deverá ser nomeada pelo presidente da República para cumprir mandato fixo até 31 de dezembro de 2023.