Presidente do STF agora diz que a Corte está pronta a rever caso Lula

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 19 de março de 2018 as 13:49, por: CdB

Habeas corpus preventivo será julgado no Plenário do STF, assim que for apresentado por Edson Fachin. Cármen Lúcia ficou mais flexível, após visita do advogado de Lula e ex-ministro do Supremo Sepúlveda Pertence

 

Por Redação – de Brasilia

 

Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), a ministra Cármen Lúcia mostra-se mais flexível a apreciar o pedido do advogado de defesa do ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva, o ex-ministro da Corte Sepúlveda Pertence. Nesta manhã, Lúcia afirmou que o Supremo está pronta para julgar o pedido de habeas corpus preventivo, para que Lula não seja preso já na semana que vem. Pertence e Lúcia encontraram-se, no gabinete da Presidência do STF, na semana passada.

Presidente do STF, a ministra Cármen Lúcia homologou a delação premiada de executivos da Odebrecht
Presidente do STF, a ministra Cármen Lúcia estaria disposta a pautar o habeas corpus de Lula

— O Supremo examinará assim que o relator, o ministro Edson Fachin, levar em mesa à turma ou ao plenário. É uma ação nobre, porque lida com a liberdade. Todo e qualquer cidadão, desde uma liderança tão importante como o ex-presidente como qualquer cidadão será julgado, ainda mais quando se tem um caso como este de tamanha envergadura — disse a presidente da Corte, a uma rádio paulista.

Relevante

Os pedidos de habeas corpus têm preferência constitucional, observou a ministra. Carmen Lúcia também comentou a declaração que deu durante jantar com representantes da Shell; de que rediscutir a prisão em segunda instância seria “apequenar” o Supremo.

— Levar de novo essa discussão ao plenário por um caso específico seria quebrar um princípio constitucional da impessoalidade. Não é por causa desta ou daquela pessoa que o Poder Judiciário vai colocar ou dar relevo a um tema — afirmou.

A ministra também tentou reduzir o nível de ruído causado no encontro com o presidente de facto, Michel Temer, no dia 10 de março. A reunião aconteceu logo depois de o STF autorizar a quebra do sigilo bancário dele.

— Foi uma conversa entre dois chefes de poderes. Eu recebo todas as pessoas que me procuram — concluiu. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *