Presidente teme nova paralisação dos caminhoneiros e anuncia benefícios

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 29 de março de 2019 as 16:12, por: CdB

O anúncio ocorreu na noite passada, durante transmissão ao vivo, no Facebook. Acompanhado do ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e de uma intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais), o presidente falou pouco mais de 17 minutos.

 

Por Redação – de Brasília

 

Às vésperas de uma possível greve de caminhoneiros no país, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) apressou-se em anunciar o lançamento do “cartão-caminhoneiro”, que vai garantir a compra de combustível, pelos motoristas de carga, sem a variação oscilante do preço do óleo diesel, uma das principais reclamações da categoria.

— Teremos, daqui no máximo a 90 dias, o cartão-caminhoneiro. O que é isso? O caminhoneiro passa no posto de combustível, ele vai pagar o preço do óleo diesel do dia. Isso é uma vantagem, garante a ele que seu frete não será consumido por possíveis reajuste no preço do óleo diesel (durante uma viagem de fretamento) — promete Bolsonaro.

O locaute realizado por caminhoneiros, em todo o país, no ano passado, tumultuou a economia brasileira
O locaute realizado por caminhoneiros, em todo o país, no ano passado, tumultuou a economia brasileira

O anúncio ocorreu na noite passada, durante transmissão ao vivo, no Facebook. Acompanhado do ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e de uma intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais), o presidente falou pouco mais de 17 minutos. Bolsonaro citou também a decisão recente da Petrobras, que anunciou que não haverá reajuste no preço do diesel em intervalos inferiores a 15 dias.

Pardais

O presidente voltou a afirmar, durante a transmissão, que pretende eliminar os radares de velocidade em rodovias federais do país, inclusive aquelas que são administradas por concessionárias privadas.

— Nós não queremos mais novos pardais no Brasil, que visam a cobrança, a multagem eletrônica — disse.

Para o presidente, o excesso de radares configura uma “indústria da multa”.

— O que está acertado com o Tarcísio (Gomes, ministro da Infraestrutura) é que os contatos vencidos (de implantação de radares eletrônicos) não serão renovados — concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *