Preso o diretor da Cataguases

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado segunda-feira, 7 de abril de 2003 as 10:00, por: CdB

A Polícia Federal prendeu, nesta manhã em São Paulo, o diretor-administrativo da empresa Cataguases, Félix Santana, que poluiu com resíduos tóxicos rios dos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Segundo a PF, ele foi preso na região dos Jardins e está sendo levado para a Superintendência da PF na região oeste da cidade.

Santana ressaltou que o vazamento ocorrido no fim de março foi um acidente, lamentou suas consequências, mas disse que é inocente. “Estou surpreso, mas não me considero absolutamente responsável, até porque eu não faço gestão daquele passivo ecológico”, afirmou durante a coletiva, sem, no entanto, esclarecer quem seria o responsável pela administração da barragem que se rompeu, causando o desastre.

O executivo disse que não tomou a iniciativa de se entregar à polícia por orientação do advogado da empresa. “Quando o mandado de prisão foi expedido, o advogado aconselhou que eu aguardasse em São Paulo”, afirmou.

Ele disse que está há seis meses na empresa e que no dia do acidente estava em São Paulo e viajou para a fábrica, na cidade de Cataguases, zona da mata mineira, assim que foi avisado. A primeira preocupação, segundo ele, foi estancar o vazamento. A partir daí, foram contratados engenheiros especializados para averiguar o problema.

Segundo Félix Santana, uma outra barragem, de menor porte, encontrava-se em situação mais crítica, ou seja, com líquido tóxico mais perto da borda.

Neste fim de semana, a assessoria de imprensa da Cataguazes divulgou nota à imprensa dizendo que o acidente foi registrado numa área da empresa Florestal Cataguazes e não da Indústria de Papel Cataguazes, como vem sendo noticiado pela imprensa. Ambas pertencem ao mesmo grupo empresarial, controlado pelo grupo Iberpar Empreendimentos e Participações Limitada e pelo empresário João Gregório de Bem, informou a nota.