Presos fazem nova rebelião no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 5 de janeiro de 2018 as 09:52, por: CdB

Motim ocorre em penitenciária onde rebelião recente deixou nove mortos e 14 feridos. Governo afirma que situação foi controlada e começou em tentativa de invasão de alas

Por Redação, com ABr – de Brasília:

Uma nova rebelião ocorreu nesta sexta-feira no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na região metropolitana de Goiânia. Desta vez, na Penitenciária Odenir Guimarães (POG).

Uma nova rebelião ocorreu nesta sexta-feira no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na região metropolitana de Goiânia

Segundo informações do Corpo de Bombeiros de Goiás, nesta madrugada a corporação recebeu um chamado e deslocou para a unidade prisional duas viaturas, como prevenção para o caso de um incêndio. No local ocorreu uma grande movimentação policial.

Nota divulgada pela Diretoria Geral de Administração Penitenciária (Dgap) diz que, por volta das 4h30, houve um princípio de rebelião na penitenciária, que abriga presos em regime fechado.

Agentes do Grupo de Operações Penitenciárias Especiais (Gope), com apoio da Polícia Militar, invadiram o presídio e retomaram o controle do local. A nota informa também que, por volta das 7h, começou o procedimento de revista. A Dgap não diz se há vítimas.

Esta é a terceira rebelião no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, as outras duas ocorreram na Colônia Agroindustrial do Regime Semiaberto. A primeira, na segunda-feira, causou a morte de nove presos e 14 ficaram feridos.

Confusão

O governo afirmou que a confusão começou numa tentativa de invasão de presos da ala C nas alas A, B e D do complexo. Batalhões de Operações Especiais, de Choque e do Grupo Radiopatrulha Aérea foram enviados ao local para conter o motim. A região ao redor da penitenciária foi isolada pela polícia.

– O serviço de inteligência policial já monitorava a ação dos presos e a tentativa de rebelião foi rapidamente controlada. Não houve mortes nem feridos. Uma fuga foi registrada – afirmou o governo em nota. O governo destacou ainda que a polícia civil está investigando os fatos que ocasionaram tumultos no presídio nos últimos dias.

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Cármen Lúcia, determinou na terça-feira que o Tribunal de Justiça de Goiás enviasse ao conselho um relatório com informações sobre as condições do presídio. Ela anunciou também que fará uma inspeção na penitenciária na próxima semana.

Este foi o segundo motim no local em menos de uma semana. No 1° dia do ano, um confronto entre grupos criminosos rivais deixou nove mortos e 14 feridos. Durante a rebelião, 242 detentos conseguiram fugir, segundo a Superintendência de Administração Penitenciária de Goiás.

A primeira rebelião em Goiás aconteceu exatamente um ano depois do motim no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, que deixou 56 presos mortos.

O motim de então foi seguido de uma onda de rebeliões nas primeiras semanas de janeiro, que resultaram na morte brutal de dezenas de detentos em presídios do Amazonas, Rio Grande do Norte e Roraima, expondo a grave crise nas penitenciárias brasileiras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *