Primeiro preso morto por covid-19 em São Paulo era hipertenso

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, São Paulo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 20 de abril de 2020 as 14:36, por: CdB

O primeiro preso morto no Estado de São Paulo por coronavírus era hipertenso e tinha 67 anos. Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária, a morte de José Iran Alves da Silva, de 67 anos foi a primeira causada por coronavírus.

Por Redação, com ABr – de São Paulo

O primeiro preso morto no Estado de São Paulo por coronavírus era hipertenso e tinha 67 anos. Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária, a morte de José Iran Alves da Silva, de 67 anos foi a primeira causada por coronavírus confirmada entre os privados de liberdade do sistema penitenciário do Estado. Silva morreu no domingo na Santa Casa de Sorocaba, onde estava internado desde o dia 9.

Detento tinha 67 anos e morreu ontem na Santa Casa de Sorocaba
Detento tinha 67 anos e morreu ontem na Santa Casa de Sorocaba

O reeducando estava preso desde maio de 2016 na Penitenciária II Dr. Antonio de Souza Neto, em Sorocaba, interior do estado. No último dia 9, ele foi atendido na enfermaria da penitenciária apresentando febre e falta de ar, sendo imediatamente encaminhado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA). De lá, ele foi transferido para a Santa Casa. Além de hipertenso, ele fazia tratamento para a próstata.

Com a confirmação da infecção e morte por coronavírus, os colegas de cela de Silva estão sendo monitorados. A unidade prisional também suspendeu o banho de sol para a população carcerária, por precaução, e aumentou as medidas de limpeza e de prevenção. De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária, foram também distribuídas máscaras de proteção aos presos da unidade.

O enfrentamento do vírus nas unidades

A secretaria informou ainda que avalia permanentemente as ações para o enfrentamento do vírus nas unidades prisionais. Nos casos suspeitos entre os presos, o paciente é isolado, e a Vigilância Epidemiológica local é contatada. Os servidores em contato com o paciente usam mecanismos de proteção padrão, como máscaras e luvas descartáveis.

Segundo a secretaria, se confirmado o diagnóstico, além de continuar seguindo os procedimentos necessários, o preso será mantido em isolamento na enfermaria durante todo o período de tratamento.

Até este momento, informou a secretaria, há quatro casos confirmados de coronavírus no sistema prisional do estado. Três detentos estão em tratamento, e um recebeu alta após ter se curado e cumprido a quarentena. Há ainda 51 presos isolados, em observação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *