Produção de notícias falsas continua ativa no governo

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 2 de abril de 2020 as 14:09, por: CdB

A divulgação do vídeo vem na esteira das críticas feitas por Bolsonaro à imposição da quarenta como forma de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. Bolsonaro defende o fim do isolamento e o retorno imediato ao trabalho.

Por Redação – de Brasília

Um dia após apagar um vídeo com fake news sobre desabastecimento na Ceasa de Belo Horizonte, Jair Bolsonaro postou novo vídeo em suas redes sociais nesta quinta-feira onde uma mulher, que se identifica como professora, pede aos gritos, na porta do Palácio da Alvorada, que ele coloque o Exército para abrir à força o comércio e ataca com violência os governadores e a imprensa.

O vereador Carlos Bolsonaro (PSL-RJ), ou Carluxo, como é conhecido, seria o comandante do 'Gabinete do Ódio'
O vereador Carlos Bolsonaro (PSL-RJ), ou Carluxo, como é conhecido, seria o comandante do ‘Gabinete do Ódio’

— Você pode ter certeza que a senhora fala por milhões de pessoas — disse Bolsonaro em resposta.

A divulgação do vídeo vem na esteira das críticas feitas por Bolsonaro à imposição da quarenta como forma de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. Bolsonaro defende o fim do isolamento e o retorno imediato ao trabalho, indo na direção contrária de protocolos internacionais da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do próprio Ministério da Saúde.

— É difícil para o senhor porque só tem gente para derrubar. Mas, o senhor tem o povo e eu faço parte dele. Eu tô aqui pedindo: põe o Exército na rua, presidente, abra esse comércio. Sou professora e não estou podendo dar aula —  diz a mulher, na saída do Palácio da Alvorada.

Isolado

Segundo apurou a jornalista e escritora Thaís Oyama, em sua coluna em um portal da internet, afirma que “sua agenda oficial (de Bolsonaro) tornou-se uma planície desolada. Na véspera, registrava um único compromisso: audiência com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, das 10h às 10h30, e mais nada”.

“Isolado em sua teimosia e sentindo-se ameaçado em sua autoridade, Bolsonaro oscila entre socorrer-se junto aos generais palacianos — que, no ano passado, havia deixado em banho-maria por não querer ser por eles ‘tutelado’ — ou ouvir os conselhos do filho Carlos, comandante em chefe dos atiçadores oficiais das massas, assessores do presidente que atuam nas redes sociais com tal beligerância que fizeram por merecer a alcunha de integrantes do ‘Gabinete do Ódio”, resumiu a jornalista.