Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos é lançado na Paraíba

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 12 de agosto de 2021 as 14:45, por: CdB

A data é homenagem à Margarida Maria Alves, trabalhadora rural, líder sindical, assassinada em 12 de agosto de 1983, a mando de latifundiários da região de Alagoa Grande no estado. A lei nº 11.882, de 19 de abril de 2021, instituiu a data como o Dia Estadual das Defensoras e Defensores dos Direitos Humanos. 

Por Redação, com Brasil de Fato – de Brasília

Nesta quinta-feira foi lançado o Programa Estadual de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos (PEPDDH) no estado da Paraíba. O programa visa proteger as pessoas que sofrem ameaça em decorrência de sua atuação. A perspectiva é a construção de uma rede de proteção que garanta a continuidade da luta por esses direitos.

Margarida Maria Alves, assassinada posteriormente a mando do Grupo da Várzea, discursa em comício sindical

A data é homenagem à Margarida Maria Alves, trabalhadora rural, líder sindical, assassinada em 12 de agosto de 1983, a mando de latifundiários da região de Alagoa Grande no estado. A lei nº 11.882, de 19 de abril de 2021, instituiu a data como o Dia Estadual das Defensoras e Defensores dos Direitos Humanos.

O Lançamento foi nesta quinta-feira, no canal do YouTube da Secretaria de Desenvolvimento Humano da Paraíba (SEDH/PB). Participarão do evento o Secretário de Desenvolvimento Humano, Tibério Limeira; o Procurador da República na Paraíba, José Godoy Bezerra de Souza; o coordenador estadual do Movimento dos Atingidos por Barragem (MAB/PB), Osvaldo Bernardo da Silva; o coordenador da equipe executora do PPDDH/PB, Ronildo Monteiro Ferreira; a agente de direitos humanos do Espaço LGBTQIA+, Gel Laverna e do economista e dirigente do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) João Pedro Stédile.

Em âmbito nacional, o Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos, Comunicadores e Ambientalistas (PPDDH) existe através do Decreto nº 9.937, de 24 de julho de 2019. Entretanto, a proteção é regulamentada desde 2007, conforme o Decreto nº 6.044.

Defensoras e defensores

A técnica de referência do PPDDH na Paraíba, Natasha Batusich mediu o lançamento do Programa. De acordo com ela, as defensoras e defensores cumprem um papel essencial para o fortalecimento da democracia e no enfrentamento às graves violações de direitos humanos.

– Em virtude dessa atuação eles sofrem ameaças, incomodam e desafiam os poderes políticos e econômicos responsáveis por violações, ficando eles próprios sujeitos às ameaças, desqualificação, perseguição, criminalização e até à morte. Avançar na proteção e promoção dessas lutas é o objetivo do Programa – afirma Batusich.

Assim, o PEPDDH visa incidir na origem da violência e apontar soluções definitivas, de forma que o defensor não necessite mais da proteção do estado. Neste sentido, o governo do estado da Paraíba, em articulação com os movimentos sociais, implementou a Comissão Estadual de Prevenção à Violência no Campo e na Cidade (COECV), uma vez que a maior parte das ameaças e das mortes de defensores e defensoras ocorridas no estado é em decorrência de conflitos fundiários.

Para Osvaldo Bernardo da Silva do Movimento dos Atingidos por Barragens da Paraíba (MAB/PB), o programa é mais um instrumento na luta das famílias atingidas pelas barragens de Acauã e dará suporte na luta pelos direitos humanos no estado. “O programa beneficiará tanto as famílias organizadas no MAB quanto todas as famílias que têm seus direitos violados.”, completa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code