Promovam a tolerância, pede papa Francisco na Lituânia

Arquivado em: Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 22 de setembro de 2018 as 17:21, por: CdB

Em seu primeiro discurso, o papa Francisco alertou os lituanos para tomarem cuidado com aqueles que “semeiam divisão e confronto, proclamando que a única maneira possível de garantir a segurança e a continuidade de uma cultura é tentar eliminar, cancelar ou expulsar os outros”.

 

Por Redação, com Reuters – de Vilnius

 

O papa Francisco disse no início de uma viagem de quatro dias aos países bálticos, neste sábado, que a Lituânia deve ver seu doloroso passado sob o domínio soviético e nazista como um impulso para promover a tolerância na Europa.
Francisco, na primeira viagem de um papa à região desde 1993, está usando sua visita para levar uma mensagem de solidariedade à Lituânia, Letônia e Estônia, enquanto eles olham com cautela para uma Rússia agressiva, quase 30 anos depois que eles se separaram da então União Soviética.

O papa Francisco desembarca na capital lutuana, para um giro por países do Leste Europeu
O papa Francisco desembarca na capital lutuana, para um giro por países do Leste Europeu

Em seu primeiro discurso, ele alertou os lituanos para tomarem cuidado com aqueles que “semeiam divisão e confronto —muitas vezes explorando a insegurança ou situações de conflito— e proclamando que a única maneira possível de garantir a segurança e a continuidade de uma cultura é tentar eliminar, cancelar ou expulsar os outros”.

História

Embora ele não tenha mencionado nenhum país, estava aparentemente se referindo a governos populistas em vários países europeus, incluindo a vizinha Polônia, Hungria e Itália, que obtiveram ganhos políticos com posições anti-imigração.

“Ao longo da sua história, a Lituânia conseguiu abrigar, receber e aceitar povos de várias etnias e religiões”, disse o papa em discurso ao presidente Dalia Grybauskaite e ao corpo diplomático. Ele elogiou a capacidade do país de superar as “ideologias totalitárias”, uma referência à ocupação nazista durante a Segunda Guerra Mundial e à dominação soviética de 1944 a 1991.

“Você sofreu ‘na carne’ aqueles esforços para impor um único modelo que anularia as diferenças…”, ele disse, acrescentando que os lituanos poderiam oferecer suas experiências “à Comunidade Europeia em particular”.

O papa disse que a Lituânia, que assim como os outros dois países bálticos é membro da União Europeia e da Otan, deveria usar sua história e posição geográfica como “uma ponte entre a Europa Oriental e Ocidental”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *