Proposta para Irã deixar tratado de proliferação nuclear chega ao Parlamento

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 28 de janeiro de 2020 as 12:56, por: CdB

O Tratado de Não Proliferação Nuclear de 1968 é a base do controle global de armas nucleares desde a Guerra Fria, incluindo um acordo de 2015 assinado pelo Irã com potências mundiais.

Por Redação, com Reuters – de Dubai

Um projeto para o Irã deixar o Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP) foi apresentado no Parlamento nesta terça-feira, informou o site de notícias do Congresso, em um movimento que parece aumentar as apostas no confronto de Teerã com o Ocidente.

Sessão do Parlamento do Irã
Sessão do Parlamento do Irã

A reportagem do Icana não informou quando o Parlamento poderá votar o projeto. O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, a mais alta autoridade da República Islâmica, toma as decisões finais em relação à política nuclear do país.

O ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, disse na semana passada que o Irã poderia se retirar do TNP, se os países europeus enviarem o país ao Conselho de Segurança da ONU por causa de um acordo nuclear, uma medida que derrubaria a diplomacia nas relações turbulentas de Teerã com as potências ocidentais.

ONU

O Tratado de Não Proliferação Nuclear de 1968 é a base do controle global de armas nucleares desde a Guerra Fria, incluindo um acordo de 2015 assinado pelo Irã com potências mundiais que lhe ofereceu acesso ao comércio global em troca de aceitar restrições ao seu programa atômico.

O destino do pacto de 2015 está em dúvida desde que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, retirou os EUA em 2018 e restabeleceu as sanções. O Irã respondeu diminuindo seus compromissos, embora diga que deseja que o acordo sobreviva.

Reino Unido, França e Alemanha declararam há duas semanas que o Irã está violando o acordo nuclear e lançaram um mecanismo de litígio que poderia eventualmente levar o assunto ao Conselho de Segurança e à reimposição das sanções da ONU.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *