Protesto contra reforma da previdência estadual é reprimida em São Paulo

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, São Paulo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 3 de março de 2020 as 14:14, por: CdB

A Polícia Militar reprimiu nesta terça-feira um protesto dos servidores públicos estaduais na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp).

Por Redação, com ABr – de São Paulo

A Reforma da Previdência dos servidores estaduais de São Paulo foi aprovada em segunda votação nesta terça-feira com 59 votos a favor e 32 contra. Durante a votação foi registrada confronto entre PMs e servidores públicos. Manifestantes ficaram feridos e parlamentares foram atingidos por spray de pimenta.

Manifestação contra reforma da previdência estadual é reprimida
Manifestação contra reforma da previdência estadual é reprimida

Em vídeos que circulam nas redes sociais é possível ver um policial que fazia a segurança do prédio ser derrubado pela multidão que entra no saguão da assembleia. Outras imagens mostram a Tropa de Choque reprimindo manifestantes na porta do Plenário Juscelino Kubitschek.

O deputado estadual Emidio de Souza (PT) afirmou no Twitter que foi atingido por spray de pimenta lançado pela polícia. Há ainda cenas de manifestantes jogando lixeiras e extintores de incêndio contra os policiais.

Apesar do tumulto, a sessão seguiu com os discursos dos deputados dentro do plenário e os servidores ocupando parte do prédio da assembleia.

Números da reforma

A Proposta de Emenda à Constituição estadual que está sendo votada estabelece como idade mínima para aposentadoria 62 anos para as mulheres e 65 para os homens. Também fixa como teto para as aposentadorias o valor pago pelo Regime Geral de Previdência para os servidores que ingressaram na carreira a partir de 2013.

No caso dos professores do ensino básico, a idade mínima fica em 51 anos para as mulheres e 56 anos para os homens. A partir de 2022, a idade mínima para a categoria sobe para 52 e 57 anos.

Uma proposta de lei complementar prevê ainda revisar a alíquota de previdência paga pelos servidores estaduais de 11% para 14%.