Protestos: Fiji envia tropas e governo estende estado de emergência até março

Arquivado em: Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 29 de novembro de 2021 as 11:24, por: CdB

Um total de 50 soldados fijianos serão enviados às Ilhas Salomão para manter a lei e a ordem após os mortais tumultos antigoverno, anunciou o primeiro-ministro fijiano, Frank Bainimarama, nesta segunda-feira.

Por Redação, com Sputnik – de Honiara

Três pessoas morreram e várias ficaram feridas em protestos massivos em Honiara, capital das Ilhas Salomão, que eclodiram na semana passada, exigindo a renúncia do primeiro-ministro Manasseh Sogavare.

Três pessoas morreram e várias ficaram feridas em protestos massivos em Honiara, capital das Ilhas Salomão

O premiê, que está em seu quarto mandato, culpou potências estrangeiras pelos violentos protestos para derrubar seu governo.

Um total de 50 soldados fijianos serão enviados às Ilhas Salomão para manter a lei e a ordem após os mortais tumultos antigoverno, anunciou o primeiro-ministro fijiano, Frank Bainimarama, nesta segunda-feira.

Bainimarama disse que as tropas, lideradas pelo major Toni Keve, serão incorporadas à Força de Defesa Australiana presente no território para ajudar a Polícia das Ilhas Salomão a conter a revolta.

O primeiro-ministro disse que reforços estão sendo enviados “por preocupação com a segurança e o bem-estar de nossos irmãos e irmãs do Pacífico nas Ilhas Salomão”, colocando mais 120 soldados de prontidão para poderem ser transferidos e ajudarem a manter a segurança em Honiara.

Papua-Nova Guiné também destacou 34 soldados para a nação insular do Pacífico.

O primeiro-ministro das Ilhas Salomão, Manasseh Sogavare, fez um pedido direto de assistência ao governo australiano na quinta-feira (25), depois que manifestantes queimaram e destruíram casas e negócios em Honiara, principalmente em Chinatown.

No domingo, Sogavare reiterou que as violentas manifestações foram “orquestradas para me remover do cargo de primeiro-ministro por razões insubstanciais”.

Emergência pública

O premiê acabou estendendo o estado de emergência pública por mais quatro meses.

– Quero mostrar à nação que o governo está totalmente decidido e nada vai nos mover. Devemos e nunca vamos nos curvar às más intenções de algumas pessoas – disse Sogavare em um discurso transmitido à nação insular do Pacífico.

Ao menos três mortes foram contabilizadas nesses três dias de protestos violentos, que incluíram a tentativa de incendiar a residência privada do primeiro-ministro. O governo já estima prejuízo na casa dos US$ 28 milhões (cerca de R$ 157 milhões) e a destruição de mil postos de trabalho.

Até o momento a situação parece ter sido estabilizada. Residentes e autoridades locais começaram as operações de limpeza com foco no distrito de Chinatown, duramente atingido.

O líder da oposição, Matthew Wale, aproveitou a situação para reforçar que “a trágica situação vai permanecer se não houver uma solução política, mesmo com forças estrangeiras dando suporte à Força Policial Real das Ilhas Salomão para recuperar o controle e manter a ordem em Honiara”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code