Protestos contra e pró-Morales deixam feridos na Bolívia

Arquivado em: América Latina, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 29 de outubro de 2019 as 10:27, por: CdB

Onda de manifestações começou após divulgação dos resultados eleitorais que deram um quarto mandato ao presidente Evo Morales. Opositor Carlos Mesa denuncia fraude eleitoral e reivindica a realização de um segundo turno.

Por Redação, com DW – de La Paz

Um confronto entre manifestantes contrários e favoráveis ao presidente da Bolívia, Evo Morales, terminou na segunda-feira com cerca de 30 feridos em Santa Cruz de la Sierra, uma das principais cidades do país.

Polícia boliviana intervém em confronto violento entre manifestantes contra e pró-Morales em Cochabamba
Polícia boliviana intervém em confronto violento entre manifestantes contra e pró-Morales em Cochabamba

– Há pessoas gravemente feridas no hospital que estão sendo operadas, um ferimento a bala, outro com uma arma pontiaguda – disse o secretário de Saúde do governo de Santa Cruz de la Sierra, Oscar Urenda.

A ministra de Saúde da Bolívia, Gabriela Montaño, comunicou em postagem no Twitter que um dos feridos, identificado por ela como um homem de 35 anos, foi baleado no abdômen e foi internado num hospital de Santa Cruz de la Sierra em estado crítico.

O vice-presidente do Comitê Cívico de Santa Cruz de la Sierra, Rómulo Calvo, confirmou os relatos de Urenda e Montaño e indicou que pode ter havido uma vítima fatal. “Temos um boletim extraoficial que diz que houve um morto, estamos esperando a confirmação”, afirmou Calvo, sem dar mais detalhes.

Citado pela agência de notícias EFE, o comandante departamental da Polícia Boliviana em Santa Cruz, Igor Echegaray, disse que ao menos cinco pessoas foram feridas com armas de fogo.

Milhares de pessoas participaram das manifestações a favor e contra o recém-reeleito Morales. As manifestações foram convocadas em diferentes cidades da Bolívia. Além dos confrontos em Santa Cruz de la Sierra, houve confrontos em outras localidades, como La Paz e Cochabamba, com alguns feridos, segundo relatos da imprensa local.

A Bolívia vive uma onda de protestos desde a segunda-feira da semana passada, quando opositores e movimentos cívicos foram às ruas para denunciar uma suposta fraude eleitoral em favor de Morales, que venceu as eleições do país em primeiro turno, segundo o Tribunal Supremo Eleitoral.

As manifestações se intensificaram nesta segunda-feira, com bloqueios nas principais cidades do país e em algumas estradas. Em vários locais houve confronto entre a Polícia Nacional da Bolívia e manifestantes leais a Morales ou opositores do presidente.

O oponente Carlos Mesa acusou Morales de fraude eleitoral, pediu a realização de um segundo turno e alertou que não desistirá até acabar na prisão ou na presidência da Bolívia.

Os resultados oficiais, divulgados quatro dias após o pleito, deram a vitória a Morales, do partido governista Movimento para o Socialismo (MAS), com 47,07% dos votos, contra 36,51% de Mesa, da aliança Comunidade Cidadã (CC).

Para ser eleito em primeiro turno na Bolívia, é preciso ultrapassar os 50% dos votos ou obter ao menos 40% dos votos e uma diferença de 10 pontos percentuais em relação ao segundo candidato mais votado. No entanto, Mesa afirma que houve manipulação.

Apuração polêmica

Na Bolívia, dois sistemas de contagem de votos coexistem. Na contagem computadorizada, batizado de Transmissão de Resultados Eleitorais Preliminares (TREP), as atas, que trazem os totais de cada mesa, são fotografadas e enviadas ao órgão eleitoral por meio de uma aplicação que permite a publicação de resultados parciais. E há ainda a “contagem oficial”, mais lenta, na qual os votos são contados individualmente.

Na noite da eleição, no domingo da semana passada, após o fechamento das urnas, a divulgação dos resultados parciais foi inexplicavelmente interrompida na página na internet do órgão eleitoral. Esses dados de contagem rápida apontavam Morales na liderança (45,25%), seguido pelo centrista Mesa (38,16%), com quase 84% da apuração concluída.

A parcial da noite de domingo indicava, portanto, a realização de um segundo turno, algo inédito para Morales, que está há 13 anos no poder sem nunca ter ido para um segundo turno.

Na segunda-feira, a TREP voltou a ser divulgada, mas indicando a vitória de Morales em primeiro turno. Opositores iniciaram então uma série de protestos.

Morales negocia com a Organização de Estados Americanos (OEA) uma forma de auditar a apuração das eleições. O governo boliviano nega as acusações de fraude e diz aceitar a realização de um segundo turno caso haja indícios de irregularidade.