Pyongyang ameaça reocupar zonas desmilitarizadas na fronteira com Coreia do Sul

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 16 de junho de 2020 as 14:44, por: CdB

As Forças Armadas da Coreia do Norte ameaçaram nesta terça-feira voltar a zonas desmilitarizadas sob acordos de paz inter-coreanos, enquanto o país continua a pressionar a rival Coreia do Sul em meio a negociações nucleares paralisadas com o governo dos EUA.

Por Redação, com Sputnik – de Seul

As Forças Armadas da Coreia do Norte ameaçaram nesta terça-feira voltar a zonas desmilitarizadas sob acordos de paz inter-coreanos, enquanto o país continua a pressionar a rival Coreia do Sul em meio a negociações nucleares paralisadas com o governo dos EUA.

Coreia do Norte ameaça reocupar zonas desmilitarizadas na fronteira com o Sul
Coreia do Norte ameaça reocupar zonas desmilitarizadas na fronteira com o Sul

O Estado-Maior General do Exército Popular da Coreia disse que está revendo uma recomendação do partido no poder de avançar para áreas de fronteira não especificadas que foram desmilitarizadas sob acordos com o Sul, o que “tornaria a linha de frente em uma fortaleza”.

Dias antes, a irmã do líder norte-coreano Kim Jong-un afirmou que o Norte demoliria um gabinete de ligação inter-coreano “inútil” na cidade fronteiriça de Kaesong e que ela deixaria para os militares o passo seguinte de retaliação contra o Sul “inimigo”.

“Nosso Exército está acompanhando de perto a situação atual em que as relações Norte-Sul estão piorando cada vez mais e se preparando para fornecer uma garantia militar segura a quaisquer medidas externas a serem tomadas pelo partido e pelo governo”, informou o Estado Maior do KPA, semelhante aos Chefes de Estado-Maior de outros países.

Ele disse que está estudando um “plano de ação para tomar medidas para fazer o Exército avançar novamente nas zonas desmilitarizadas sob o acordo (Norte-Sul), transformar a linha de frente em uma fortaleza e aumentar ainda mais a vigilância militar contra (o Sul)”, destacou o comunicado da Agência Central de Notícias da Coreia do Norte (KCNA).

Embora não tenha sido claro imediatamente quais ações os militares da Coreia do Norte poderiam tomar, Pyongyang ameaçou abandonar um acordo militar bilateral alcançado em 2018 para reduzir as tensões através da fronteira.

As Coreias se comprometeram a tomar medidas conjuntas para reduzir as ameaças militares convencionais, como o estabelecimento de pontos de passagem nas fronteiras terrestres e marítimas e nas zonas de exclusão aérea. Elas também removeram alguns postos de guarda da linha de frente em um gesto simbólico. A declaração do Norte possivelmente implica que não respeitaria mais as zonas-tampão e que os postos de guarda seriam reconstruídos.

Confrontos aquáticos

As Forças Armadas norte-coreanas também disseram que abririam áreas não especificadas perto da fronteira terrestre e de suas águas do sudoeste, para que a Coreia do Norte pudesse enviar folhetos de propaganda anti-Coreia do Sul para o Sul, em um aparente ataque de raiva contra desertores e ativistas norte-coreanos que enviam folhetos pelo ar para Pyongyang através da fronteira.

Ocasionalmente, as águas foram palco de conflitos sangrentos, incluindo um ataque de 2010 a uma embarcação da Coreia do Sul que matou 46 marinheiros. O Norte, que não reconhece a fronteira marítima ocidental desenhada unilateralmente pela ONU no final da Guerra da Coreia (1950-53), negou a responsabilidade pelo naufrágio do barco Cheonan.

Recentemente anunciada como a principal autoridade de seu irmão em assuntos inter-coreanos, Kim Yo-jong criticou repetidamente nas últimas semanas a Coreia do Sul pelo declínio das relações bilaterais e por sua incapacidade de parar de rastrear os desertores e ativistas.

Negociações nucleares com Washington

Nos últimos meses, a Coreia do Norte suspendeu praticamente toda a cooperação com o Sul, expressando frustração pela falta de progresso em suas negociações nucleares com Washington. O Norte também ameaçou abandonar os acordos de paz bilaterais alcançados durante as três cúpulas de Kim Jong-un com o presidente sul-coreano Moon Jae-in, em 2018.

Moon pediu na segunda-feira à Coreia do Norte que pare de fomentar animosidades e retorne às negociações, dizendo que os rivais não devem reverter os acordos de paz.

Alguns especialistas dizem que a Coreia do Norte, que mobilizou pessoas para manifestações em massa condenando desertores, está deliberadamente censurando o Sul para reunir seu público e desviar a atenção de uma economia em queda. Embora Kim Jong-un tenha declarado um “avanço frontal” contra sanções, especialistas dizem que a crise da covid-19 provavelmente frustrou muitos de seus objetivos econômicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *