Pyongyang mandou matar irmão de Kim Jong-un, dizem EUA

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 7 de março de 2018 as 09:47, por: CdB

Washington acusa regime norte-coreano de usar arma química para assassinar Kim Jong-nam no aeroporto de Kuala Lampur. Ela foi morto com agente VX, uma substância neurotóxica considerada uma arma de destruição em massa

Por Redação, com DW – de Washington:

Uma investigação conduzida pelos Estados Unidos concluiu que o meio-irmão do líder norte-coreano, Kim Jong-un, foi assassinado com o agente VX, uma substância neurotóxica, a mando do regime em Pyongyang, afirmou na terça-feira  o Departamento de Estado.

Kim Jong-nam era um crítico do regime comandado por seu meio-irmão e vivia no exílio

Kim Jong-nam morreu pouco depois de duas mulheres borrifarem seu rosto com o agente VX enquanto ele caminhava no aeroporto de Kuala Lampur, em 2017. Elas estão sendo julgadas por assassinato. Se forem declaradas culpadas, podem ser condenadas à pena de morte.

Em resposta, os Estados Unidos afirmaram que vão impor novas sanções à Coreia do Norte. A lista divulgada indica que elas são de caráter simbólico, pois o país já é alvo de fortes sanções. O anúncio ocorreu no mesmo dia em que a Coreia do Sul indicou que os dirigentes de Pyongyang estavam dispostos a discutir a desnuclearização com os norte-americanos.

Kim Jong-nam

Kim Jong-nam carregava um medicamento que poderia ser utilizado como antídoto ao VX, o agente neurotóxico com o qual foi assassinado na Malásia; firmou uma especialista durante o julgamento das duas acusadas pelo crime.

Ele estava com 12 comprimidos de atropina na sua mochila quando foi atacado; em 13 de fevereiro de 2017, no aeroporto internacional de Kuala Lumpur; mas morreu poucos minutos depois da agressão com o VX; uma versão altamente letal do gás sarin e considerada uma arma de destruição em massa.

A indonésia Siti Aisyah e a vietnamita Doan Thi Huong foram julgadas pelo assassinato num tribunal de Shah Alam, distrito próximo ao aeroporto da capital malaia.

Elas foram detidas pouco depois do crime e se declararam inocentes no início do julgamento; em 2 de outubro, alegando que foram enganadas e que acreditavam estar participando de um programa de televisão do tipo “pegadinha”.

Imagens de câmeras de segurança do aeroporto mostram as duas mulheres se aproximando de Kim Jong-nam por trás; e jogando um líquido no rosto dele. Kim Jong-nam era um crítico do regime norte-coreano e vivia no exílio.

Desde o início do caso, a Coreia do Sul acusa a Coreia do Norte de ter planejado o assassinato, o que Pyongyang nega.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *