Quarentena: Japão examina 3,7 mil em navio após caso de coronavírus

Arquivado em: Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 4 de fevereiro de 2020 as 14:14, por: CdB

Os cerca de 3,7 mil passageiros e tripulantes de um navio de cruzeiro em quarentena no porto japonês de Yokohama começaram a ser submetidos a exames de saúde nesta terça-feira.

Por Redação, com Reuters – de Tóquio

Os cerca de 3,7 mil passageiros e tripulantes de um navio de cruzeiro em quarentena no porto japonês de Yokohama começaram a ser submetidos a exames de saúde nesta terça-feira, já que um passageiro de Hong Kong que viajou na embarcação no mês passado foi diagnosticado com o coronavírus de Wuhan.

Navio Diamond Princess é visto ancorado no porto de Yokohama
Navio Diamond Princess é visto ancorado no porto de Yokohama

O homem de 80 anos fugiu para o Japão e embarcou no Diamond Princess, operado pela Carnival Japan Inc, em Yokohama no dia 20 de janeiro, desembarcando em Hong Kong cinco dias depois, disse a empresa.

Fotos e vídeos publicados no Twitter por um passageiro identificado como @daxa_tw mostraram agentes de saúde com máscaras e roupas de plástico azul percorrendo corredores vazios, além de imagens de saguões desertos e um convés abandonado.

Os hóspedes à espera de exames foram orientados a ficar nas cabines, onde responderam a um questionário e passaram por medições de temperatura, mas anúncios feitos a bordo mais tarde no mesmo dia disseram que cerca de 70% dos exames haviam sido finalizados e que as atividades haviam sido normalizadas, a não ser no cassino, nas lojas e no estúdio de fotos.

Preocupação

Alguns familiares expressaram preocupação com parentes retidos a bordo. “É fácil para as pessoas não afetadas dizer ‘mantenham-os longe’, mas minha família inteira quer que minha irmã preciosa volte para casa bem”, escreveu um usuário do Twitter.

A Carnival Japan confirmou que a volta do navio foi adiada em 24 horas para as autoridades verificarem a saúde de todos os 2.666 passageiros e 1.045 tripulantes a bordo. Cerca de metade destes é de japoneses, disse a porta-voz da empresa.