Quênia ordena investigação de desastre em represa

Arquivado em: África, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 11 de maio de 2018 as 11:44, por: CdB

Pelo menos 44 pessoas morreram quando o reservatório da fazenda, que cultiva rosas para exportação à Europa, rompeu suas margens na noite de quarta-feira após chuvas intensas

Por Redação, com Reuters – de Solai, Quênia:

A Procuradoria-Geral do Quênia ordenou nesta sexta-feira que a polícia investigue o rompimento de uma represa de uma fazenda do Vale do Rift que matou dezenas de pessoas devido a uma inundação que desceu pela encosta de uma colina, destruindo tudo em seu caminho.

Criança em casa destruída por rompimento de represa no Quênia

Mortes

Pelo menos 44 pessoas morreram quando o reservatório da fazenda; que cultiva rosas para exportação à Europa, rompeu suas margens na noite de quarta-feira após chuvas intensas. Outras 40 pessoas foram dadas como desaparecidas.

A Procuradoria-Geral informou no Twitter que o chefe de polícia foi instruído “a realizar investigações minuciosas; para estabelecer a causa e a culpa, se houver”; pelo desastre e apresentar um relatório dentro de duas semanas.

O jornal Daily Nation citou autoridades de governo segundo as quais a represa e outras na fazenda Solai; de cerca de 1.416 hectares, localizada a 190 quilômetros a noroeste de Nairóbi; não foram aprovadas por engenheiros governamentais.

Moradores de vilarejos

Moradores de vilarejos também se queixaram quando as represas foram construídas; acusando o proprietário da fazenda de privá-los de acesso à água do rio, relatou o jornal.

Vinoj Kumar, gerente-geral da fazenda, atribuiu o rompimento do muro da represa às chuvas torrenciais em uma floresta acima da represa; e negou que esta tivesse defeitos; ou que não tenha recebido as aprovações necessárias.

– Como eles podem dizer que é ilegal? – disse ele à agência inglesa de notícias Reuters. “Ela não foi construída hoje ou ontem. Foi construída 20 anos atrás”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *